AFP/ Rodrigo Buendía
AFP/ Rodrigo Buendía

Terremotos voltam a abalar cidades do Equador

Sismos não causaram danos significativos, mas interromperam a eletricidade em algumas áreas costeiras

O Estado de S. Paulo

18 Maio 2016 | 15h56

QUITO - Um terremoto de magnitude 6,7 abalou a costa do Equador na tarde quarta-feira, 18, na província de Esmeraldas. Durante a madrugada, a região foi abalada por outro sismo, de 6,8 graus na escala Richter.

Não houve relatos de danos significativos dos sismos, que deixaram ao menos seis feridos, interromperam a eletricidade em algumas áreas costeiras e fizeram as pessoas correrem para as ruas até na região mais alta da capital Quito, segundo testemunhas.

O presidente equatoriano, Rafael Correa, disse que o epicentro foi o vilarejo de pescadores de Mompiche, na costa do Oceano Pacífico, e que o terremoto só causou alguns "pequenos danos".

"Todos fiquem calmos", disse Correa em sua conta no Twitter, acrescentando que não há alerta de tsunami. Ele anunciou que as aulas foram suspensas nas províncias de Manabí e Esmeraldas até a segunda-feira. "Pais podem buscar seus filhos ou esperar até o horário normal de saída", acrescentou o presidente.

O Centro de Alerta de Tsunamis do Pacífico também afirmou que não há previsão de que o tremor provoque um tsunami no oceano que banha o litoral do país. O Instituto Geológico dos EUA estimou a profundidade do tremor em 10 km.

A região foi abalada em abril por um tremor de magnitude 7,8 que matou mais de 650 pessoas. O sismo, o pior do país em quase sete décadas, derrubou edifícios ao longo da costa. Além das fatalidades, o desastre deixou cerca de 16,6 mil feridos e causou estimados US$ 2 bilhões em danos. /Reuters e EFE

Mais conteúdo sobre:
Equador terremoto sismos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.