Terremotos forçam milhares a deixar prédios na China

Três terremotos atingiram as províncias do sudoeste da China na sexta-feira, ferindo 19 pessoas e forçando a retirada de dezenas de milhares, informou a mídia oficial, citando autoridades locais. Um terremoto de 4,9 pontos na escala Richter atingiu a região às 4h20 locais (18h20 de quinta-feira em Brasília) a cerca de 10 km de Ruili, na fronteira da China com Myanmar, disse a agência Xinhua. O terremoto destruiu um velho edifício do governo e cerca de 30 mil pessoas deixaram o local, disseram autoridades locais do Partido Comunista à Xinhua. Outro tremor medindo 4,3 pontos na escala Richter atingiu a zona rural de Yiliang, perto de Kunming, às 2h19, danificando mais de cem casas, afetando cerca de 1.200 pessoas em oito cidades. Não houve mortes, segundo a Xinhua. O terceiro terremoto, medindo 4 pontos na escala Richter, atingiu a província de Guizhou às 8h. Não houve danos, mortos ou feridos. "Telefonamos todas as vilas locais e não recebemos relatos de feridos ou destruição de casas. O trânsito e as telecomunicações estão normais", disse Sha Xiangui, chefe do Partido Comunista em Luodian à agência. A China ainda está reconstruindo casas e infra-estrutura para milhões de desabrigados pelo terremoto de 12 de maio, em Sichuan, que matou 80 mil pessoas. (Reportagem de Ian Ransom e Jacqueline Wong)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.