Terremotos no Índico e Japão provocam alerta de tsunami

'Terremotos dessa magnitude podem gerar um tsunami destrutivo', disse o centro no alerta

Dow Jones Newswire e da Agência Estado,

10 de agosto de 2009 | 18h44

Um forte terremoto de intensidade 7,6 atingiu as Ilhas Andaman, na baía de Bengala (Oceano Índico), gerando um alerta de tsunami para Índia, Mianmar (antiga Birmânia) e Tailândia pelo Centro de Alerta de Tsunami do Pacífico dos Estados Unidos. Outro terremoto, de magnitude 6,6, atingiu a capital do Japão, Tóquio, e arredores também na manhã da terça-feira, horário local no Japão e na Índia, segundo a Agência Meteorológica do Japão. Segundo a CNN, o terremoto no Japão ocorreu 12 minutos depois do tremor no Oceano Índico.

 

O epicentro do terremoto submarino de 7,6 graus na Baía de Bengala foi localizado a 262 quilômetros ao norte de Port Blair, nas Ilhas Andaman, e 465 quilômetros ao sul de Rangum (Mianmar). As Ilhas Andaman são um arquipélago da Índia, ao sul da baía de Bengala. "Terremotos dessa magnitude podem gerar um tsunami destrutivo, tanto local quanto regional", disse o centro no alerta.

 

O centro informou que ainda não sabe se uma onda gigante foi gerada pelo terremoto submarino, que ocorreu às 1h55 da madrugada da terça-feira, horário local no Oceano Índico.

 

A Agência Meteorológica do Japão informou que o epicentro do tremor desta terça-feira foi localizado na área administrativa de Shizuoka, no sudeste do Japão, quase 160 km a sudoeste de Tóquio. Foi gerado um alerta de tsunami ao longo da costa sudeste do Japão, mas a previsão é de ondas de menos de 60 centímetros, de acordo com a rede de tevê japonesa NHK.

 

O U.S. Geological Survey estimou a intensidade do terremoto na região de Tóquio em 6,4. Os trens-bala tiveram sua circulação suspensa, segundo a mídia japonesa.

 

A região de Tóquio já havia sido sacudida por um terremoto, de 7,1 segundo o Serviço Geológico dos EUA, no domingo. As informações são da Dow Jones Newswire e da Agência Estado.

Tudo o que sabemos sobre:
terremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.