Terror driblou agências ocidentais

Enquanto extremistas se organizavam na Ásia para preparar os ataques de Mumbai, funcionários das agências de inteligência ocidentais concentravam seus esforços de investigação nos Estados Unidos. Durante semanas falou-se de um possível complô da rede terrorista Al-Qaeda para perturbar a campanha presidencial americana. Na quarta-feira, o FBI e o Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos alertaram para a possibilidade de um atentado contra os sistemas de transporte da região de Nova York, supostamente marcado para o feriado do Dia de Ação de Graças. No entanto, os atentados na Índia não levaram a nenhuma mudança no nível de alerta contra ameaças terroristas nos EUA ou na Grã-Bretanha. "O impacto não foi sentido por aqui", comentou um funcionário de alto escalão britânico. Também não há nenhum indício de que antes dos ataques as agências de inteligência ocidentais tenham feito qualquer alerta. E funcionários dessas agências, que preferiram não ser identificados, afirmaram não saber quem estava por trás dos massacres. O fato de os terroristas de Mumbai terem passado incólumes pelo radar das agências de espionagem mais sofisticadas do mundo reforça a idéia de que não existe segurança completa, especialmente em grandes aglomerados urbanos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.