Terror islâmico nega ataque a igrejas cristãs no Iraque

Terroristas islâmicos divulgaram uma mensagem na internet negando que grupos de inspiração religiosa tenham atacado com bombas cinco igrejas cristãs no domingo, e acusaram um político iraquiano pelos atentados. "Se os mujahedin (combatentes sagrados islâmicos) quisessem alvejar essas igrejas, eles as fariam desaparecer da face da Terra e ninguém teria saído vivo", afirma-se na mensagem, que foi divulgada na noite de quarta-feira num site islâmico usado por grupos radicais para fazer comunicados.As bombas explodiram na frente de cinco igrejas em Bagdá e na cidade nortista de Mossul durante missas noturnas, matando pelo menos sete pessoas e ferindo dezenas. Na segunda-feira, um grupo anteriormente desconhecido, Comitê de Planejamento e Acompanhamento no Iraque, colocou uma mensagem na internet assumindo responsabilidade pelas explosões, dizendo: "Vocês queriam uma cruzada, e esse é o resultado".Os atentados foram condenados por todos os setores da sociedade iraquiana - clérigos muçulmanos sunitas e xiitas e o governo interino. Os autores da mensagem culpam pelos atentados um membro do Conselho de Governo iraquiano, que foi dissolvido em junho para abrir caminho para o governo interino.O comunicado classificou o político de um "agente americano" e afirma que os Estados Unidos e Israel participaram dos ataques. "Essa tentativa de esfaquear os mujahedin responsabilizando-os por essas estúpidas explosões é um fracasso e uma vilania", acrescenta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.