Terrorismo: América Latina e Europa reforçam segurança em aeroportos

Alguns países da América Latina, como Argentina, Venezuela e Brasil, e da Europa, como Itália, Espanha e Alemanha, reforçaram as medidas de segurança em seus aeroportos nacionais após a Grã-Bretanha informar que desbaratou uma série de atentados em grande escala nesta quinta-feira.Os atentados tinham como objetivo explodir pelo menos dez aviões comerciais que iriam da Grã-Bretanha aos Estados Unidos. "Já providenciamos um aumento dos controles" de segurança nos aeroportos de todo o território nacional", afirmou o ministro do Interior argentino, Anibal Fernandez.O ministro da Argentina, país que em 1992 e 1994 sofreu dois atentados terroristas que deixaram mais de 110 mortos, acrescentou que "sempre que ocorre qualquer fato com estas características, reagimos de forma imediata". No aeroporto internacional de Ezeiza, em Buenos Aires, houve um reforço de agentes de segurança, porém nenhum sistema de alerta em especial encontra-se em funcionamento. No aeroporto Simon Bolívar, em Caracas, já está em vigor um alerta que proíbe os passageiros de levar líquidos ou gel em sua bagagem de mão. Além disso, antes de embarcar, todos devem tirar os sapatos e passar pelos raios X, segundo informaram os responsáveis pela segurança do aeroporto.Por sua vez, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) do Brasil pediu à Infraero (Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária) para reforçar a segurança no controle de bagagens. Um porta-voz da Infraero afirmou que, por enquanto, essas medidas não provocaram atrasos nos vôos.O jornal chileno La Nación informou que embaixador do Chile em Londres, Rafael Moreno, "recomendou" aos seus compatriotas que adiem, na medida do possível, eventuais partidas para a capital inglesa, por causa dos atrasos e cancelamentos de vôos na Inglaterra.Os países europeus também reforçaram a segurança em seus aeroportos como resposta ao anúncio da polícia britânica. Os governos de Itália, Alemanha e Espanha anunciaram reforços na segurança dos aeroportos, enquanto a companhia aérea Lufthansa cancelou todos os vôos para a Grã-Bretanha.O Ministério do Interior italiano anunciou nesta quinta-feira ter intensificado "a vigilância de todos os alvos sensíveis", principalmente os vinculados "ao Reino Unido", apesar de "não haver sinais específicos de alerta" para o país."No que concerne à segurança dos vôos, foram transmitidas ao pessoal encarregado ordens de máxima atenção nos controles de pessoas e equipamentos, com a abertura de malas escolhidas aleatoriamente", explicou o comunicado oficial.O governo italiano também esclareceu que "no momento não são previstas, por outro lado, medidas de alerta vermelho, como a proibição de levar bagagem de mão". "Sobre este ponto, também será avaliado o desenvolvimento da situação nos aeroportos britânicos", acrescentou. Os especialistas antiterrorismo da Itália estão em constante contato com seus colegas britânicos para recolher elementos sobre a operação da Scotland Yard. O premier espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, também anunciou hoje o reforço das medidas de segurança em todos os aeroportos do país, onde foram cancelados 90% dos vôos ao Reino Unido. "Esta manhã o ministro do Interior, Alfredo Perez Rubalcaba, informou-me que deu instruções para aumentar todos os controles nos aeroportos do país", afirmou Zapatero em coletiva de imprensa concedida em Santiago de Compostela. O reforço das medidas de segurança é realizado principalmente nos vôos com destino ao Reino Unido e aos Estados Unidos. Os aeroportos espanhóis cancelaram 707 dos 787 vôos previstos para hoje saindo de diversas cidades espanholas rumo ao Reino Unido, o que representa 90% do total, informou a entidade Aeroportos Espanhóis e Navegação Aérea (AENA). A companhia alemã Lufthansa informou hoje que cancelou todos os seus vôos para a Grã-Bretanha, como resposta ao anúncio da Polícia britânica, que desarticulou um plano terrorista de ataque a vôos com destino aos Estados Unidos. Todos os vôos para Londres provenientes de Bruxelas também foram cancelados até que as autoridades britânicas reduzam o nível do alerta de segurança nacional, que foi elevado ao status "crítico", o mais alto do registro. "Ainda que os vôos voltem a partir com destino à Grã-Bretanha, os passageiros devem estar preparados para demoras durante todo o dia e nos próximos dias", informou hoje um porta-voz do aeroporto de Heathrow, em Londres.Um porta-voz do Ministério do Interior da Alemanha informou hoje em Berlim que as medidas de segurança aérea foram reforçadas depois da notícia do plano de atentados evitado pela Scotland Yard na Grã-Bretanha."Estamos todos em estado de alarme", disse o porta-voz de Segurança Interna, Dieter Wiefelspuetz. "Os acontecimentos divulgados pelo governo britânico são muito alarmantes", acrescentou em uma entrevista coletiva na capital alemã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.