Terrorista condenado à prisão perpétua nos EUA

O terrorista que confessou sua participação no ataque contra a embaixada norte-americana no Quênia em 1988 foi condenado nesta terça-feira à prisão perpétua, depois que o corpo de jurados não chegou a um acordo sobre se aplicava ou não a pena de morte.Os jurados deliberaram durante cinco dias em torno da sorte de Mohamed Rashed Daoud Al-´Owhali, de 24 anos, que havia confessado sua participação no ataque de 7 de agosto de 1998 contra o prédio da representação diplomática em Nairóbi.O terrorista também foi considerado culpado de conspiração no caso de uma bomba quase simultânea que explodiu na embaixada norte-americana de Dar es Salaam, na Tanzânia.A explosão em Nairóbi deixou um saldo de 213 mortos e cerca de 5.000 feridos.De acordo com a lei federal dos EUA, os promotores podem pedir a pena de morte nos casos de assassinatos cometidos por terroristas.Nesta terça-feira, o júri de Al-´Owali pediu instruções sobre o que deveria ser feito caso não conseguisse uma aprovação unânime de pena de morte.O juiz federal distrital Leonard Sand instruiu os jurados a indicar simplesmente que não havia acordo e acrescentou que o acusado seria condenado à prisão perpétua sem direito à fiança.O mesmo júri que sentenciou Al-´Owhali deliberará sobre a sorte de um segundo terrorista, Khalfan Khamis Mohamed, que é acusado de detonar uma bomba simultaneamente na embaixada norte-americana na Tanzânia, causando a morte de 11 pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.