AFP PHOTO / JOHN THYS
AFP PHOTO / JOHN THYS

Terrorista de metrô de Bruxelas pediu seguro-desemprego 11 dias antes do atentado

Segundo fonte que não quis se identificar, funcionários do sindicato - que administram os pagamentos do benefício na Bélgica - tiveram contato com os irmãos El-Bakraoui ‘em diversas ocasiões entre 2013 e início de 2015'

O Estado de S. Paulo

30 Março 2016 | 12h15

BRUXELAS - O homem que cometeu o atentado contra a estação de metrô de Maelbeek em Bruxelas, Khalid el-Bakraoui, entrou com um pedido de seguro-desemprego 11 dias antes dos ataques sem que as autoridades da Bélgica percebessem, apesar de haver contra ele uma ordem de busca e captura internacional por terrorismo da Interpol emitida em dezembro de 2015.

"A última vez que o recebi foi em 11 de março deste ano. Falei com ele uns cinco ou dez minutos. Veio perguntar quando seria seu pagamento (do seguro-desemprego)", afirmou a pessoa que atendeu Khalid, que preferiu manter o anonimato.

Menos de duas semanas depois da conversa, na terça-feira, Khalid el-Bakraoui detonou o colete de explosivos que usava na estação de metrô, que fica a poucos metros das sedes dos principais órgãos da União Europeia.

Uma hora antes, no mesmo dia, seu irmão mais velho, Ibrahim el-Bakraoui, e outro terrorista, Najim Laachraoui, se suicidaram no Aeroporto Internacional de Zaventem, próximo a Bruxelas. O duplo atentado provocou a morte de 32 pessoas e deixou mais de 300 feridas.

O fato de Khalid ter pedido seguro-desemprego 11 dias antes de se explodir na estação de metrô reforça a hipótese de que os ataques foram antecipados após a prisão de Salah Abdeslam, suposto responsável logístico dos atentados de 13 de novembro de 2015 em Paris, que mataram 130 pessoas.

Segundo a fonte, ela própria e outros funcionários do sindicato haviam lidado com os irmãos El-Bakraoui "em diversas ocasiões entre 2013 e o início de 2015", época em que eles eram, pelo menos oficialmente, criminosos com um longo histórico de roubos, mas sem vínculos com o terrorismo.

A Bélgica emitiu em 11 de dezembro uma ordem de prisão europeia contra Khalid por seu envolvimento nos atentados de Paris. Seu nome então passou a constar na base de criminosos procurados da Interpol, que pode ser facilmente acessada por qualquer país.

Khalid havia alugado, com uma identidade falsa de Ibrahim Maaroufi - mesmo nome de um ex-jogador belga que atuou pela Inter de Milão - uma casa na cidade de Charleroi, na Província de Hainaut, usada pela célula terrorista responsável pelos ataques em Paris.

"No início ele foi amável, mas quando disse que ele não tinha direito de receber o seguro, me pareceu que ele ficou mais agressivo", afirmou a fonte, que garantiu ter reconhecido o terrorista ao ver seu nome e foto nos jornais.

Os sindicatos administram os pagamentos do seguro-desemprego na Bélgica. Por isso, possuem dados importantes de seus filiados, como o número nacional de identidade, endereço e estado civil.

Perguntado sobre como o nome de Khalid não chamou a atenção das autoridades, o funcionário do sindicato disse que, infelizmente, não existe um "código de alerta para essas pessoas". "Não podemos estar cientes de quem é um terrorista ou não", completou.

Khalid e Ibrahim, ambos belgas de origem marroquina, viviam no bairro de Laeken, no noroeste de Bruxelas, e tinham 27 e 30 anos, respectivamente. Eles tinham diversas passagens pela polícia por assaltos à mão armada e por um sequestro, crime pelo qual foram condenados a 10 (Ibrahim) e 5 (Khalid) anos de prisão.

As autoridades também suspeitavam que Khalid havia alugado um apartamento no distrito de Forest, também em Bruxelas, onde foi morto pela polícia, no dia 15, o argelino Mohamed Belkaid, um dos responsáveis pelos atentados de Paris.

Durante a operação no imóvel, no qual foram encontradas as impressões digitais de Abdeslam, dois suspeitos fugiram. Os agentes acreditam que eles podem ser os irmãos El-Bakraoui.

O incidente do seguro-desemprego é só mais uma falha dentro da crescente lista de erros cometidos pelo governo da Bélgica.

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, revelou após os atentados que havia informado à Bélgica sobre a prisão de Ibrahim na fronteira com a Síria em junho de 2015. Pouco depois, ele foi extraditado à Holanda sem que as autoridades tomassem alguma medida.

O anúncio de Erdogan causou uma crise no governo belga. Os ministros do Interior, Jan Jambon, e de Justiça, Koen Geens, chegaram a apresentar suas renúncias, que acabaram não sendo aceitas pelo primeiro-ministro do país, Charles Michel. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.