AFP PHOTO / Belga
AFP PHOTO / Belga

Terroristas de ataques de Bruxelas pertencem à célula de Paris

Coordenador da luta antiterrorista da União Europeia descartou a possibilidade de que os autores do duplo atentado de ontem pertençam a um grupo paralelo fora do radar das forças de segurança

O Estado de S. Paulo

23 de março de 2016 | 15h29

BRUXELAS - O coordenador da luta antiterrorista da União Europeia, Gilles de Kerchove, considerou nesta quarta-feira, 23, que os autores dos ataques de ontem em Bruxelas são membros da mesma célula jihadista que organizou os atentados de novembro em Paris.

Em entrevista à TV pública belga RTBF, ele explicou que os rápidos avanços da investigação sugerem que os autores pertencem ao grupo de Salah Abdeslam, considerado o provável líder logístico dos atentados de Paris em 13 de novembro e detido em Bruxelas na sexta-feira passada. Nesta linha, o coordenador europeu da luta antiterrorista descartou a possibilidade de que os autores do duplo atentado de ontem, que matou 31 pessoas e deixou outras 270 feridas, pertençam a um grupo paralelo fora do radar das forças de segurança.

Além disso, ele concedeu que é possível que novos atentados voltem a acontecer em território europeu porque "quanto mais pressão se exercer sobre o Estado Islâmico (EI) na Síria e Iraque", mais tentados os jihadistas se sentem a atacar contra os países que se envolvem nos combates. Neste momento, acrescentou Kerchove, o EI está "na defensiva" no Iraque e na Síria perante o avanço do exército curdo, os chamados "peshmergas", e dos bombardeios da coalizão internacional.

"Precisamos esperar, pelo menos, o planejamento de ataques", acrescentou o especialista, que destacou que a Europa diminuiu sua "vulnerabilidade" nos últimos tempos e está detendo suspeitos.

Kerchove reconheceu que a "Bélgica é um país pequeno" e "faz o que pode" em matéria de segurança. Contudo, disse que é "extremamente difícil prevenir" um atentado de "pessoas dispostas a morrer" para matar outras. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.