AFP PHOTO / GABRIEL BOUYS
AFP PHOTO / GABRIEL BOUYS

Terroristas de Bruxelas pretendiam atacar no domingo de Páscoa

Atentado foi apressado em virtude da prisão de Salah Abdelsalam; advogado diz que sua extradoção para França ocorrerá em breve

O Estado de S. Paulo

07 Abril 2016 | 17h04

BRUXELAS - A célula terrorista que atacou o aeroporto e o metrô de Bruxelas em 22 de março pretendia realizar o atentado no domingo de Páscoa, cinco dias depois do que acabou acontecendo. Segundo a imprensa belga, o ataque acabou sendo antecipado em virtude da prisão de Salah Abdeslam, na sexta-feira, 18. O terrorista, que também está envolvido nos atentados de Paris, em novembro, deve ser extraditado para a França nas próximas semanas. 

Segundo o jornal Le Soir, que cita fontes da investigação, o ataque no domingo de Páscoa era a preferência dos terroristas. Elementos internos e externos da investigação da polícia comprovariam essa tese, ainda de acordo com a publicação. 

Além da prisão de Abdelsalam, a aparição na imprensa de retratos falados dos irmãos Ibrahim y Khalid el-Bakraoui também teria motivado a  aceleração do plano. Um computador que pertenceu a Ibrahim encontrado pela polícia revelou aos investigadores que ele considerava o ataque "precipitado".

Extradição. O advogado de Salah Abdeslam, Sven Mary, disse mais cedo em Bruxelas que a extradição de seu cliente deve ser concluída nas próximas semanas. Promotores que investigam os atentados de Paris pretendem interrogá-lo. 

Haverá uma audiência sobre a tentativa de assassinato de vários policiais durante as buscas ainda aqui em Bruxelas", disse o advogado. Segundo ele, seu cliente pretende ser julgado na França. "Isso deve ocorrer em algumas semanas."

Abdeslam colaborou com os atentados de Paris, em 13 de novembro, que deixaram 130 mortos,  e logo em seguida retornou para o distrito de Molenbeek, em Bruxelas, onde vivia. Suas impressões digitais foram encontradas três dias antes do atentado de Bruxelas em um apartamento usado pela célula de Paris. /EFE

Mais conteúdo sobre:
Bruxelas atentados

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.