Terroristas pegam perpétua

Três britânicos que planejaram atacar aviões com explosivos líquidos, em 2006, foram sentenciados ontem em Londres à prisão perpétua. O juiz responsável pelo caso, Richard Henriques, comparou o complô aos ataques de 11 de Setembro.

AP E REUTERS, O Estadao de S.Paulo

15 de setembro de 2009 | 00h00

Suspeitos de ter laços com a rede Al-Qaeda, Tanvir Hussain, Abdullah Ahmed Ali e Assad Sarwar (os três muçulmanos de origem paquistanesa) planejavam embarcar em voos que partiam de Londres e passavam por San Francisco, Toronto, Washington, Montreal e Nova York. Todos levariam explosivos líquidos escondidos em garrafas de bebida energética. Como consequência do complô, as leis de aviação foram endurecidas e passou a ser proibido embarcar com líquidos em voos internacionais.

O líder do grupo, Ali, terá de cumprir, no mínimo, 40 anos de prisão, Sarwar, 36 anos e Tanvir, 32. Segundo Henriques, os terroristas estavam "em um estágio bastante avançado" do plano, pois já tinham material suficiente para produzir 20 bombas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.