Terroristas planejavam atacar locais públicos no Reino Unido, diz governo

Forças de segurança investigam suposta conspiração; suspeitos foram detidos na segunda-feira

Associated Press

21 de dezembro de 2010 | 13h31

LONDRES - Pontos conhecidos e locais públicos, como shoppings centers, eram os alvos de ataques terroristas planejados contra o Reino Unido, afirmaram as autoridades de segurança britânicas nesta terça-feira, 21.

 

As informações foram obtidas nas investigações sobre os 12 suspeitos detidos na segunda-feira suspeitos de planejaram ataques no país. Os homens têm idades entre 17 e 28 anos. Sua prisão é a maior operação de combate ao terrorismo em quase dois anos. Ao menos cinco deles são de Bangladesh.

 

As autoridades de combate ao terrorismo afirmam que várias cidades britânicas seriam alvos dos ataques. O suposto plano, dizem, foi considerado significativo pelas forças de segurança. Possíveis alvos seriam o prédio do Parlamento, em Londres, e centros de compras em todo o país.

 

Os planos, porém, não tem conexão com as conspirações para ataques em toda a Europa descobertas há alguns meses e que envolveria ataques parecidos com o ocorrido em Mumbai, na Índia, e que teria como alvos o Reino Unido, a França e a Alemanha. As prisões também não teriam relação com a explosão de dois carros-bomba na Suécia na semana passada e que os supostos ataques não ocorreriam na época das festas de fim de ano.

 

As autoridades europeias geralmente elevam as medidas de segurança nas datas próximas a feriados, mas neste ano os procedimentos têm sido ainda mais rigorosos. No ano passado, um nigeriano tentou explodir um avião que ia de Amsterdã, na Holanda, para Detroit, nos EUA. Ele foi detido em solo americano.

O nível de alerta do Reino Unido permanece como "severo". A Alemanha elevou o seu nível de alerta no dia 17 de novembro em resposta a uma crescente ameaça de extremistas islâmicos. Em outubro, os EUA alertaram seus cidadãos que viajavam ou moravam na Europa para ficarem atentos.

A Europa já foi alvo de dezenas de atentados terroristas perpetrados por militantes islâmicos. O pior deles ocorreu nos trens de Madri, na Espanha, em 2004, quando 191 pessoas morreram e cerca de 1.800 ficaram feridas na explosão de bombas de estilhaços. Um ano depois, homens-bomba mataram 52 pessoas ao detonar seus explosivos no metrô e em um ônibus de Londres.

Tudo o que sabemos sobre:
TerrorismoReino Unido

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.