Terroristas planejavam explodir aviões entre Reino Unido e EUA em pleno vôo

O Reino Unido vive nesta quinta-feira mais um dia de tensão diante da ameaça do terrorismo internacional. O ministro do Interior, John Reid anunciou nesta manhã (horário local) a descoberta de um plano para a explosão sobre o Oceano Atlântico, de aviões que decolariam do país com destino aos Estados Unidos, matando centenas de pessoas. "O objetivo era derrubar um número de aviões através de explosões no meio do vôo causando muitas mortes", disse Reid. Fontes do MI5, o serviço secreto britânico, afirmam que os terroristas pretendiam explodir pelo menos nove aviões.Segundo a Scotland Yard, pelo menos 21 pessoas foram presas durante a madrugada em Londres e cercanias, em sua maioria cidadãos britânicos de religião muçulmana. Eles integrariam o grupo que realizaria ataques a bordo das aeronaves com explosivos carregados em suas bagagens de mão. As emissoras de televisão britânica especulam que os suspeitos utilizariam explosivos líquidos. "Estamos confiantes de que desmontamos uma operação terrorista que causaria um enorme número de mortes e destruição", disse Paul Stenpheson. "Nossa operação teve objetivo de deter um plano terrível para cometer assassinatos em massa." A polícia informou que a operação ainda está em curso e outros suspeitos de integrarem o plano terrorista ainda não foram presos.Às 2 horas da manhã (22 horas do Brasil), o Centro de Análises de Terrorismo elevou seu alerta de "severo" para "crítico" pela primeira vez. Segundo o governo, isso significa que "um ataque iminente é esperado". Com isso, foi montada uma enorme operação de segurança nos aeroportos do país, principalmente em Heathrow, em Londres, o maior do país. Vôos com destino a Heathrow que ainda não haviam saído de suas origens foram suspensos pelo menos até esta tarde. Todos os vôos com destino aos Estados Unidos foram cancelados. Vôos para vários outros destinos também foram cancelados.As autoridades pediram à população que evite ir ao aeroporto de Heathrow. Para os passageiros que estão conseguindo embarcar, foi proibido o porte de qualquer bagagem de mão. Itens essenciais com passaportes, medicamentos e dinheiro têm de ser colocados em sacos de plástico transparentes.Com essas medidas, enormes filas de passageiros se formaram em Heathrow - trata-se do pico das férias de verão no hemisfério Norte - mas apesar da confusão, no início da manhã não houve cenas de caos. As autoridades distribuíram folhetos explicando a situação.O primeiro-ministro Tony Blair, que está de férias no Caribe, informou o presidente dos Estados Unidos, George Bush, sobre a situação durante a madrugada. O Departamento de Segurança Internado dos Estados Unidos elevou seu alerta de segurança para os vôos originados no Reino Unido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.