Terroristas raptaram 234 alunas na Nigéria, dizem pais

Pelo menos 234 alunas de uma escola estão desaparecidas no nordeste da Nigéria, após um ataque de extremistas islâmicos na semana passada, disseram os pais das vítimas. O número é bem superior ao fornecido por autoridade de educação do país, de 85 estudantes desaparecidas.

Agência Estado

21 de abril de 2014 | 12h41

O número maior foi anunciado nesta segunda-feira, uma semana após os sequestros, quando o governador Kashim Shettima do Estado de Borno insistiu para que uma escolta militar o levasse para a cidade de Chibo. Os funcionários de segurança afirmaram ao governador que era muito perigoso ir de carro até Chibo, a 130 quilômetros (80 milhas) de Maiduguri, capital do estado de Borno e berço da rede terrorista Boko Haram, que foi responsabilizada pelos sequestros.

A mais recente divergência em torno dos números ocorre depois de os militares terem retirado a informação divulgada na semana passada que apenas oito entre as alunas sequestradas não tinham sida resgatadas. Fontes de segurança disseram que estão procurando os sequestradores, mas que, até agora, nenhuma uma das estudantes, que têm idade entre 16 e 18 anos, foi resgatada. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
NigériaSequestroEstudantes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.