EFE/WEB LÍDER SUPREMO IRANÍ
EFE/WEB LÍDER SUPREMO IRANÍ

Tesouro americano anuncia novas sanções contra o Irã 

Na noite de quarta-feira, a Câmara dos Deputados já havia aprovado a proibição da venda de aviões comerciais ao Irã, um veto que se for confirmado cancelará duas operações com a Boeing avaliadas em US$ 20 bilhões

O Estado de S.Paulo

14 Setembro 2017 | 15h02

WASHIGNTON - O Tesouro dos Estados Unidos anunciou nesta quinta-feira, 14, novas sanções contra o Irã, centradas em 11 entidades e pessoas que respaldam os Guardiões da Revolução ou estão ligadas a ciberataques contra o sistema financeiro americano. 

"Todos os bens e interesses das entidades e pessoas afetadas estão congeladas e os cidadãos americanos estão proibidos de fazer negócio com elas", indicou o Tesouro em um comunicado, afirmando que um dos organismos sancionados apoia o programa iraniano de mísseis balísticos. 

Na noite de quarta-feira, a Câmara dos Deputados já havia aprovado a proibição da venda de aviões comerciais ao Irã, um veto que se for confirmado cancelará duas operações com a Boeing avaliadas em US$ 20 bilhões.

O congressista republicano que propôs essa proibição, Peter Roskam, acusou o Irã de utilizar aviões comerciais para transportar armas e tropas à Síria em apoio ao presidente desse país, Bashar Assad, a quem qualificou de "criminoso de guerra".

O veto foi aprovado apesar dos democratas alertaram que põe em perigo o acordo nuclear de 2015 com o Irã e só "castiga as empresas americanas".

A Boeing anunciou em dezembro do ano passado a venda à companhia aérea de bandeira iraniana Iran Air de 80 aviões (50 unidades modelo 737 MAX, 15 777-300ER e 15 777-9), em um contrato avaliado em US$ 16,6 bilhões.

Além disso, em abril confirmou outro princípio de acordo para a venda de 30 aviões por US$ 3 bilhões à companhia iraniana Iran Aseman Airlines.

As duas operações dependem da aprovação final do governo Trump, que mantém para o Irã uma política mais dura que a de seu antecessor, Barack Obama.

O pacto nuclear de 2015 com as potências ocidentais supôs o levantamento das sanções internacionais contra o Irã em troca de que este país limitasse sua capacidade atômica e permitisse a supervisão de seu programa nuclear. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.