Teste antimíssil dos EUA é realizado com sucesso

O teste do sistema de defesa antimísseis dos EUA, realizado na noite deste sábado, foi bem-sucedido. O míssil interceptor lançado do atol de Kuajalein, nas Ilhas Marshall, acertou seu alvo: o míssil transcontinental desarmado Minuteman, lançado da Base Aérea de Vandenberg, na Califórnia. O Minuteman foi rastreado em sua rota sobre o Pacífico por uma rede de radares e satélites durante cerca de 20 minutos, até ser atingido pelo interceptor. Este foi o quarto teste de interceptação de mísseis realizado pelo Pentágono desde o fim de 1999, e é o primeiro desde o fracasso do último teste, ocorrido no ano passado. Só a primeira dos três testes anteriores teve sucesso. O segundo, em janeiro de 2000, e o terceiro, no dia 8 de julho de 2000, falharam na tentativa de interceptar o míssel. No teste de janeiro de 2000, segundos antes de interceptar o alvo, o míssil apresentou problemas nos sensores infravermelhos; no de julho, o interceptor não conseguiu se soltar do foguete que o lançou. Minutos antes do início do teste deste sábado, ativistas do Greenpeace fizeram uma tentativa de última hora para impedir sua realização. Dois dos ativistas da organização que invadiram a nado a zona de segurança da base aérea de Vandenberg foram detidos, mas outros dois conseguiram se aproximar da zona de restrição ao sul da base. O míssil foi lançado com um atraso de cerca de 40 minutos, mas não se sabe ainda se o protesto do Greenpeace teve relação com esse atraso. Apesar das objeções internacionais, o presidente George W. Bush insiste na idéia de que seu país deve continuar com o projeto de defesa antimísseis, que custa cerca de 60 bilhões de dólares, para proteger os interesses dos Estados Unidos contra ataques dos países considerados por Washington como "estados pária", dentre os quais estão incluídos a Coréia do Norte, o Irã e a Líbia. O teste ocorrido esta noite sobre o Oceano Pacífico e fora da atmosfera terrestre custou US$ 100 milhões ao governo norte-americano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.