Teste de antraz nos EUA dá negativo

O segundo teste de detecção de antraz na carta que foi recebida pela subsidiária da Microsoft na cidade de Reno, estado norte-americano de Nevada, teve um resultado negativo nesta sexta-feira, após o primeiro teste ter sido positivo. Um terceiro teste será realizado neste sábado e definirá se o envelope estava ou não contaminado, de fato, pela bactéria O governador de Nevada, Kenny Guinn, disse à rede de TV norte-americana CNN que a carta supostamente contaminada por antraz havia sido enviada pela própria subsidiária da Microsoft em Reno para um de seus revendedores de software na Malásia. A carta continha um cheque e, por motivo desconhecido, foi devolvida. Na Malásia, existiriam células conhecidas da organização liderada por Osama Bin Laden, a al-Qaeda. Dentro do envelope, não havia pó algum, mas o cheque parecia ter sido mergulhado em alguma espécie de líquido e depois secado. Um outro material suspeito, descrito como pornográfico, também foi encontrado no envelope e, justamente nesse material, é que foi detectada a presença de antraz. O governador informou também que, mesmo que seja confirmada a presença da bactéria na carta, a pessoa que a manuseou provavelmente correria poucos riscos de ter sido contaminada. Já em Nova York, o jornal The New York Times divulgou que o pó branco enviado à repórter Judith Miller foi testado e o resultado deu negativo para a bactéria antraz. Outros testes serão feitos para confirmar esse resultado. O secretário de Defesa dos EUA, John Ashcroft, declarou que o FBI começou as investigações para descobrir a origem do antraz, mas ainda não há pistas concretas. Ashcroft informou também que não há nenhuma prova de que os casos do antraz estejam ligados aos atentados terroristas do dia 11 de setembro.

Agencia Estado,

13 Outubro 2001 | 01h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.