Testemunhas de terremoto relatam pavor no Chile

Pessoas envoltas em cobertores perambulam pelas ruas tomadas por feridos em Concepción, a segunda maior cidade do Chile e localizada a pouco mais de 100 quilômetros do epicentro do terremoto de 8,8 graus que atingiu o país nesta madrugada.

AE-AP, Agencia Estado

27 de fevereiro de 2010 | 12h47

Em Talca, a 105 quilômetros do foco do abalo, o jornalista da Associated Press Roberto Candia, que visitava a avó disse que a sensação era de que um gigante lhe sacudia. "Tudo estava caindo - cômodas, gavetas, tudo", disse. "Eu estava dormindo com meu filho de oito anos e consegui cobrir a cabeça dele com um travesseiro. Parecia uma forte turbulência num avião."

Marco Vidal, agente que viajava com um grupo de 34 norte-americanos, estava no 19º andar do Hotel Crown Plaza, em Santiago, quando o terremoto ocorreu. "Tudo começou a cair. O lustre, tudo, veio ao chão", afirmou. "Me senti aterrorizado."

Participantes de um festival de música foram pegos quando saíam de uma discoteca. "Foi muito ruim. As pessoas estavam gritando. Algumas estavam correndo, outras pareciam paralisadas", disse Julio Alvarez.

O tremor sacudiu prédios até em Buenos Aires, a 1,4 mil quilômetros de distância do epicentro. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
terremotoChile

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.