Testemunhas falam sobre choque com tiroteio nos EUA

Estudantes e funcionários da Universidade Virginia Tech, no Estado americano da Virgínia, relataram os momentos de medo e confusão vividos na segunda-feira, 16, quando um homem armado abriu fogo em dois diferentes locais do campus, matando mais de 30 pessoas.O professor Dennis Hong disse à BBC que estava trabalhando no campus quando ouviu os tiros."Eu estava trabalhando no meu escritório e então ouvi três tiros. Olhei para fora e vi um grupo de policiais armados se escondendo atrás das árvores", disse Hong.Muitos dos alunos também ouviram os tiros. "Eu reconheci o som de tiros, mas estava confuso", disse Andrew Gisch. "Olhei ao meu redor, para os outros estudantes que estavam na quadra de exercícios, e eles estavam tão confusos como eu.""Todos perceberam imediatamente que o som era mesmo de uma arma e começaram a correr", disse Gisch.O estudante Nicholas Macko contou à BBC que o atirador tentou entrar na sala de aula em que ele estava. Macko disse que ouviu diversos tiros."Eu diria que foram, facilmente, 80 ou 100 tiros. É difícil contar, com tanta adrenalina, mas foram muitos, muitos, muitos tiros."As redes de TV mostraram imagens de viaturas da polícia e de ambulâncias em fila do lado de fora do campus.Para aqueles que estavam trancados dentro das salas de aula, o clima era de incerteza.As alunas Krishna e Allison disseram à BBC que, enquanto esperavam na biblioteca, era difícil saber o que estava realmente acontecendo e o que era apenas boato.Muitos estudantes falaram de sua preocupação com amigos que não conseguiam contatar."É um choque para mim porque sou estudante de engenharia. Quando aquela lista (de vítimas) for divulgada, eu sei que vou ver o nome de alguns amigos e isso me apavora desde agora", disse o aluno Daniel Smith.Segundo Liz Hart, algumas das vítimas já começam a ser identificadas."Infelizmente, apesar de ainda não ser oficial, as informações estão correndo, e por meio de pessoas que testemunharam (as mortes), descobrimos quem eram algumas das vítimas", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.