Testemunhas ouviram explosão antes da queda do Airbus

Moradores do bairro de Queens, onde fica o Aeroporto Internacional John Fitzgerald Kennedy (JFK), acreditaram estar sendo vítimas de um ataque aéreo terrorista na manhã desta segunda-feira. A queda do Airbus A300, que começava o vôo 587 para Santo Domingo, na República Dominicana, sobre várias casas entre a Rua 129 e a Newport Avenue, por volta das 9 horas (horário local), foi testemunhada por centenas de pessoas. A maioria disse ter visto partes do Airbus caindo antes de o avião mergulhar sobre a área residencial; outras contaram ter ouvido uma explosão antes da queda.Fred Burg, que àquela hora estava pescando nas águas da baía próxima do aeroporto, contou: "Vi pedaços do avião caindo na água, parecia uma das asas, e daí o jato veio de nariz em direção à Rua 129." Outros dois pescadores, Mike e Tony, descreveram a mesma cena. "Tinha fogo na cauda do avião e uma das asas caiu na água", disse Mike. "Parecia que o piloto estava tentando desviar das casas e cair sobre a água, mas não conseguiu", acrescentou Tony.Sonia Genaro, que caminhava pela Newport Avenue, contou ter visto o avião já atingindo o solo e desaparecer num cogumelo de fumaça. "Pensei que tinha sido um Concorde que caíra sobre a igreja", disse Sonia. Na região de Jamaica Bay, apenas a cinco quadras de onde o avião caiu, há uma igreja católica que abriga uma escola primária, além de dezenas de lojas. Por sorte, a escola estava vazia. Não havia aula por causa do feriado pelo Dia dos Veteranos.Ao ouvir a explosão, Rosemary Gianascas, que mora na Beach Front, avenida na frente do mar, a quatro quadras de onde o jato da American Airlines caiu, também pensou que "era a partida ou chegada de um Concorde", avião que retomou os vôos comerciais entre Nova York, Londres e Paris na semana passada.Don Gardner, que mora na Rua 121, ouviu um barulho muito forte de um jato e foi para a janela de casa. "Não vi o avião, mas vi uma peça grande, que parecia ser o motor, caindo; depois apareceu a fumaça". De fato, um dos motores do Airbus caiu sobre um posto de gasolina na Rua 129. Milagrosamente, o motor caiu entre a garagem e as bombas de gasolina, sem atingir nenhuma delas - evitando o que poderia ser uma explosão de conseqüências trágicas.Paul Marassina, piloto da companhia US Airway, estava num dos corredores do Aeroporto JFK. "Foi tudo muito rápido", disse Marassina. O piloto lembrou que ele e seus colegas têm muitos problemas causados por pássaros no Kennedy. "Pode ser que um deles entrou na fuselagem do Airbus, causando o acidente", sugeriu o piloto. Um outro piloto, a bordo de um avião que partia do aeroporto JFK, disse à rede de televisão ABC que viu fumaça saindo de uma das turbinas do vôo 587. Isto reforçaria a hipótese de desgaste mecânico na aeronave.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.