Thatcher terá funeral cerimonial na catedral de St. Paul

O governo britânico informou que a ex-primeira-ministra Margaret Thatcher terá uma funeral cerimonial com honras militares. Thatcher, conhecida como "dama de ferro", morreu nesta segunda-feira, após um derrame, aos 87 anos.

Agência Estado

08 de abril de 2013 | 12h29

O anúncio diz que participarão do funeral "uma grande e diversificada gama de pessoas". O serviço será seguido pela cremação do corpo, que será restrita às pessoas mais próximas. Não foram divulgados mais detalhes sobre o período da cerimônia, mas o comunicado afirma que os arranjos estão "de acordo com os desejos" da família de Thatcher.

O palácio de Buckingham informou que a rainha Elizabeth ficou triste ao saber da notícia e que a monarca enviará uma mensagem de condolências privada para a família de Thatcher.

O primeiro-ministro David Cameron interrompeu uma viagem à Espanha e à França após saber da notícia. Downing Street (a residência oficial dos premiês britânicos) informou que a rainha Elizabeth II autorizou a realização do funeral cerimonial, um passo antes de um funeral de Estado, que será realizado na Catedral de Sta Paul, na capital britânica.

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, disse que Thatcher foi uma "grande mulher de Estado" que teve um papel ativo na expansão da União Europeia (UE) após a queda do comunismo. Segundo ele, Thatcher será lembrada por sua contribuição e reservas ao projeto (do bloco)", declarou ele aos jornalistas, acrescentando que ficou "profundamente triste" com a notícia.

Barroso também elogiou o papel da ex-premiê na expansão da UE ao incluir países do antigo bloco oriental, depois da queda do comunismo. Dez países desse antigo bloco, dentre eles Polônia, República Checa, Hungria e Letônia, passaram a integrar a UE em 2004.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, divulgou um comunicado no qual diz que "com a morte da baronesa Margaret Thatcher, o mundo perdeu uma das maiores defensoras da liberdade e a América perdeu uma verdadeira amiga. Como a filha de um comerciante que se tornou a primeira premiê mulher do Reino Unido, ela é um exemplo para nossas filhas de que não há telhado de vidro que não possa ser quebrado", afirmou ele.

"Como primeira-ministra, ela ajudou a restaurar a confiança e o orgulho que sempre foi a marca registrada do Reino Unido. E como apoiadora de nossa aliança transatlântica, ela sabia que com a força e a resolução poderíamos vencer a guerra fria e ampliar a promessa de liberdade."

O ex-presidente da União Soviética, Mikhail Gorbachev, também comentou a morte da ex-primeira-ministra britânica, afirmando que ela foi "uma grande política" que ficará na história. "Margaret Thatcher foi uma grande política e uma pessoa brilhante. Ela vai ficar em nossa memória e na história", disse ele, que venceu o prêmio Nobel da Paz, e que manteve frequentes reuniões com Thatcher no final da Guerra Fria, informou a agência de notícias Interfax. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.