EFE/EPA/SERGEI ILNITSKY
EFE/EPA/SERGEI ILNITSKY

The Economist: Geração de um só líder

Os jovens são otimistas sobre o futuro e têm maior probabilidade de aprovar Putin. Estudo do Carnegie Moscow Center revela que eles são menos propensos a mudanças de longo alcance

The Economist, O Estado de S.Paulo

19 Março 2018 | 05h00

Mikhail Solovyev nasceu em 31 de dezembro de 1999. Foi um dia difícil, mesmo para os padrões siberianos, com temperaturas de -50ºC. Os bondes e os táxis em Novosibirsk pararam de funcionar, mas sua mãe conseguiu chegar ao hospital e entrou no novo milênio com o bebê em seus braços. No mesmo dia, a cerca de 3.400 km de distância, em Moscou, Boris Yeltsin sentou-se diante de uma árvore de Ano Novo no Kremlin e com voz arrastada, fez um grave discurso: “Eu vou embora”, disse ele aos seus compatriotas. Depositou a Rússia nos braços de um novo líder, Vladimir Putin.

Com metade das urnas apuradas, Rússia confirma reeleição de Putin com 75% dos votos

Nos 18 anos que se seguiram, enquanto Putin consolidava seu poder em Moscou, Mikhail tornou-se um homem robusto. Ele é agora um orgulhoso membro de um clube militar-patriótico local, bem como um ativista ambiental com um ponto fraco para aves ameaçadas de extinção.

Ele sonha em se tornar operador de sinais no Exército russo. Este fim de semana, no dia 18 de março, ele e seus colegas votaram pela primeira vez nas eleições presidenciais. Ele ainda não havia decidido quem apoiará. Independentemente de sua escolha, Putin ganhará. Mas mesmo um czar não pode dominar o tempo.

O potencial daqueles que não conheceram nenhum governante, a não ser Putin começou a chamar atenção em março do ano passado, quando milhares de jovens em todo o país responderam ao chamado do líder da oposição, Alexei Navalni, para protestar contra o elevado nível de corrupção. Na semana seguinte, os consultores políticos conectados ao Kremlin realizaram um fórum de discussão em um bar de Moscou que capturou o humor: “Protesto de 26 de março”, leia o convite, “WTF” (acrônimo para what the fuck). Putin começou a aparecer em mais eventos com jovens adeptos para combater o apelo de Navalni. A molodezh (juventude) atingiu um status quase mítico no discurso político russo. Quem são eles? O que querem? Como veem o mundo?

Buscando respostas para essas questões, The Economist entrevistou dezenas de jovens de 18 anos em toda a Rússia nos meses que precederam as eleições. Eles são os primeiros de uma geração na Rússia - vamos chamá-los de “Puteens” - que não têm lembrança da vida antes de Putin. Cerca de 28 milhões de crianças nasceram na Rússia desde que ele tomou o poder. Suas condições de vida diferem amplamente. Suas opiniões sobre política, história, religião, direitos e identidade nacional variam em um amplo espectro. Mas algumas tendências emergem.

Cronologia: A Rússia pós-soviética em cinco datas-chave

Os Puteens chegaram à maioridade numa época de prosperidade sem precedentes para a Rússia, apesar de uma recente desaceleração. O PIB per capita aumentou mais de seis vezes desde que Mikhail nasceu. A taxa de desemprego entre jovens é relativamente baixa para os padrões da Europa Oriental, com 15%. Os jovens russos de hoje bebem menos, fumam menos e vivem mais do que aqueles que vieram antes deles. Muitos veem oportunidades à frente: eles têm sonhos concretos e a sensação de que eles poderão ser alcançados. “Eu quero me tornar um arquiteto”, declara Alexei Malikov, de Murmansk. “E eu me tornarei um”.

Embora tenham crescido na Rússia, eles vivem a maior parte de sua vida online, como os outros jovens de sua idade em outros lugares. Mais de 90% dos russos de 18 a 24 anos conectam-se à internet diariamente, em comparação com menos de 50% dos 40 aos 54 anos de idade e apenas 15% dos russos com 55 anos ou mais. “De um ponto do mundo, podemos chegar a outro lado, e isso abre oportunidades ilimitadas e horizontes ilimitados para nós”, diz Abubakr Azaev, de Makhachkala, a capital da república muçulmana de Daguestão. “Basicamente, sei como as pessoas vivem na China, no Japão, nos EUA”. Eles compartilham histórias no Instagram e conversam no WhatsApp; eles curtem tanto rap dos russos e os Scorpions. Abubakr não se cansa de Hobbit de Tolkien e de Gorillaz, uma banda britânica.

União

Essa sensação aumentada do mundo, além de suas fronteiras, parece tornar os Puteens mais receptivos em relação a ele. A dinâmica do constante confronto com o Ocidente tem menor apelo para eles. O grupo adulto mais jovem da Rússia é mais propenso a ter opiniões positivas sobre os Estados Unidos e a União Europeia, e é menos provável que acredite que a Rússia tem inimigos. (Seus colegas no Ocidente também veem a Rússia de forma mais favorável do que as gerações mais velhas.) Eles confiam nas informações de amigos e parentes, e cada vez mais evitam as notícias agressivas controladas pelo estado na televisão. Mais de 70% dos jovens de 18 a 24 anos recebem suas notícias online, em comparação com apenas 9% das pessoas com mais de 55 anos; mais de 90% dos mais de 40 ainda dependem da televisão. “Eles tentam nos convencer de que todos os americanos nos odeiam; que os americanos pensam que a Rússia é um lugar cheio de pessoas malignas, com ursos nas ruas e vodca”, diz Lera Zinchenko, uma aspirante a atriz dos subúrbios de Moscou. “Eu não acho que eles nos odeiem. Sigo algumas pessoas no Instagram que viajam por todo o mundo, e há uma garota que estava nos Estados Unidos e disse que as pessoas eram muito agradáveis com ela.”

A combinação de oportunidades relativas e abertura básica faz com que os eleitores mais jovens da Rússia, em geral, sejam otimistas quanto ao futuro - embora, claro, alguns deles ainda tenham que lidar com a busca de um emprego ou encontrar uma casa, e sem contar com a tarefa de criar suas próprias famílias.

Enquanto os jovens que participaram do protesto de Navalni formam um bloco visível e ativo, eles representam uma pequena parcela de sua geração. Ao invés de engajar-se em uma revolução, os jovens de 18 a 24 anos têm maior probabilidade do que qualquer outro grupo etário a aprovar o desempenho de Putin; mais provavelmente dirão que o país está indo na direção correta; e quando chamados a escolher entre um sistema político de estilo soviético, o atual sistema russo e a democracia do estilo ocidental, o mais provável é que escolham o sistema atual. Um estudo recente realizado pelo Carnegie Moscow Center revelou que os jovens são menos propensos a apoiar mudanças de longo alcance na Rússia.

Longevidade de Putin no poder impressiona, mas não é recorde

Isso não os torna leais ao Kremlin, mas sim realistas. Para os Puteens, o presidente é semelhante ao sol, uma característica constante do ambiente. Alguns se deleitam com seu brilho bombástico; aqueles que acham sua presença opressiva recorrem ao protetor solar ou permanecem dentro. Embora muitos gostariam de ver uma nova estrela emergir, a maioria vê pouco sentido em combater a existente na Rússia de hoje. “Claro, existem algumas deficiências, mas as coisas estão indo muito bem - poderia ser muito pior”, diz Mikhail, fazendo eco a um sentimento comum. Depois de votar, ele voltará a pensar em uma situação mais urgente. “Eu tenho esse dilema”, ele apresenta, “fico na Sibéria, ou mudo para o sul, em algum lugar quente, em algum lugar mais perto do mar”. / TRADUÇÃO DE CLAUDIA BOZZO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.