Tibetanos exilados protestam contra domínio da China

Manifestantes pedem pela libertação do Tibete, sob poder dos chineses desde a década de 50

estadao.com.br,

01 de outubro de 2009 | 11h31

No dia em que a República Popular da China completa 60 anos de existência, tibetanos exilados na Índia realizaram um protesto em frente à embaixada da China em Nova Délhi contra o que chamam de "ocupação brutal e totalitária" dos chineses, já que não reconhecem a independência do Tibete.

 

A Polícia deteve cerca de 20 manifestantes, que empunhavam faixas com os dizeres "Libertem o Tibete" e gritavam contra o governo chinês. Segundo as autoridades, todos os detidos devem ser soltos ainda nesta quinta-feira. A manifestação foi convocada pelo Parlamento tibetano que considera a política chinesa como "60 anos de violência, mentiras e opressão" ao povo do Tibete.

 

Em Katmandu, capital do Nepal, outros 70 manifestantes foram presos por protestarem também em frente à embaixada chinesa.

 

A China afirma que o Tibete sempre fez parte de seu território e não o reconhece como uma nação independente, enquanto alguns tibetanos garantem que o país foi livre por séculos, até a invasão das tropas chinesas na década de 50.

 

Cerca de 20 manifestantes foram detidos em frente à embaixada chinesa em Nova Délhi. Foto: Efe

 

Protesto ocorreu no dia em que a República Popular da China comemora seu 60º aniversário. Foto: Efe

 

Mulher é presa em Katmandu, no Nepal, onde também houve protestos. Foto: Reuters

 

No Nepal, foram cerca de 70 detidos pelos protestos contra os chineses. Foto: Reuters

 

Em Taiwan, pessoas assistem à filmes pró-Tibete e Xinjiang e contra a unificação chinesa. Foto: Associated Press

 

Polícia de Hong Kong também teve de reprimir protestos pró-democracia. Foto: Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaTibeteprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.