BARC/ via REUTERS
BARC/ via REUTERS

Tigre é encontrado preso em casa abandonada nos EUA

Mulher ligou para a polícia após entrar em uma residência no Texas para fumar maconha e ver o animal dentro de uma pequena jaula; ‘nós questionamos se não estava sob o efeito de drogas’, relata sargento da unidade de animais

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de fevereiro de 2019 | 02h33

HOUSTON - A polícia de Houston, no Texas, recebeu um chamado inusitado nesta segunda-feira, 11. Uma mulher acionou as autoridades após entrar com um grupo de pessoas em uma casa abandonada para fumar maconha e encontrar nada menos que um tigre. O animal estava preso em uma jaula na garagem.

“Nós os questionamos se eles estavam sob o efeito de drogas ou se realmente viram um tigre", relata o sargento Jason Alderete, da unidade especializada em crueldade contra animais.

Após o primeiro momento de ceticismo, agentes da polícia foram até a residência e constataram que o tigre estava na garagem do local, preso em uma jaula que era pequena para o seu tamanho.

De acordo com Laura Cottingham, chefe do Departamento Administrativo e de Regulação de Houston, o animal estava bem alimentado, pois alguém estava deixando tigelas com comida no local.

O tigre foi tranquilizado e transportado para um abrigo de animais, onde foi temporariamente colocado em um trailer usado para cavalos, e em seguida foi encaminhado para uma reserva na cidade de Murchison, também no Texas.

A polícia investiga agora quem é dono do tigre e quem o deixou na garagem da casa. Também não está claro para as autoridades quem é o dono da casa abandonada e quais as eventuais punições para os envolvidos no caso.

A cidade de Houston não permite a posse de animais exóticos como animais de estimação. De acordo com Laura Cottingham, apesar de ser um caso raro, esta não é a primeira vez que as autoridades locais foram acionadas para resgatar tigres abandonados.

"Infelizmente, algumas pessoas acham que é legal ter um tigre ou animais exóticos como um animal de estimação. O que acontece com frequência é que ele começa como um gatinho bonitinho e fofinho e se transforma em uma criatura grande, cara e potencialmente perigosa", disse Laura Cottingham. "É assim que esses animais são abandonados ou deixados em circunstâncias muito ruins". / The Washington Post e The New York Times

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.