Tigre que atacou o dono é levado para reserva em Ohio

O tigre que mordeu e feriu gravemente seu dono, em um apartamento do Harlem, Nova York, foi levado para a reserva de animais Arca Perdida de Noé, em Berlin Center, Ohio, onde viverá em meio a extensos gramados, árvores e aves. No apartamento também era criado um crocodilo, que foi levado para uma reserva de animais de Indiana. A confusão no edifício de apartamentos foi provocada por Antoine Yates, 31 anos, que está hospitalizado, recuperando-se da mordida do tigre - ele disse que o animal lhe "rasgou uma perna toda, até o osso". Quando deixar o hospital de Filadélfia - ele fugiu para aquela cidade - Yates será processado por conduta irresponsável. Na reserva Arca Perdida de Noé, a diretora da reserva, Ellen Whitehouse, explicou que os animais selvagens não podem ser domesticados. "As autoridades simplesmente deveriam proibir as pessoas de comprar esse tipo de animal". Em Nova York, uma equipe de controle de animais, a polícia e funcionários do zoológico do Bronx tiveram dificuldade para acuar o tigre no apartamento de Yates, no quinto andar do edifício. Finalmente conseguiram fazer o animal dormir, atingindo-o com dardos contendo tranqüilizantes, e o tiraram do prédio, com o crocodilo. Wes Artope, diretor do departamento de albergues para animais de Nova York, disse que Yates criava no apartamento um tigre laranja e branco - mescla das raças siberiana e bengali. Ele levou o tigre para o apartamento quando o animal tinha seis semanas. Agora o felino está com 192 quilos. O crocodilo tem 1,5 metro. "Obviamente, este tigre e o crocodilo não podiam estar sendo criados em nenhum lugar de Nova York que não o zoológico", disse o prefeito Michael Bloomberg. Yates disse a uma emissora de tevê que sua intenção era "só criar um Jardim do Éden, algo que falta neste mundo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.