Timor Leste vai decretar prisão de 18 suspeitos por atentados

O procurador-geral de Timor Leste,Longuinhos Monteiro, disse na quarta-feira que vai ordenar aprisão de 18 supostos envolvidos nos atentados desta semanacontra o presidente José Ramos-Horta e o primeiro-ministroXanana Gusmão. Ramos-Horta ficou gravemente ferido no atentado ocorrido emsua casa na manhã de segunda-feira, enquanto Gusmão escapouileso dos tiros contra sua comitiva, em outro ponto da capital,Dili. "Estamos chegando hoje à conclusão de decretar as prisões",disse Monteiro a jornalistas, acrescentando haver "99 porcento" de provas contra os acusados. "Mas não quer mencionar osnomes dos envolvidos a esta altura", afirmou. Alguns analistas prevêem mais violência e turbulênciaspolíticas nesta ex-colônia portuguesa depois da morte do líderrebelde Alfredo Reinaldo, baleado durante o ataque à casa deRamos-Horta. Centenas de seguidores de Reinaldo, alguns chorando, outrosgritando "viva Alfredo", se reuniram na quarta-feira na casadele, em Dili, para ver a chegada do corpo. Eles insistiram emabrir várias vezes o caixão para confirmar a identidade domorto. "Embora você esteja morto, seu espírito viverá para sempree vamos continuar sua luta", gritou um homem no local, ondehavia forte vigilância de tropas da ONU. Soldados australianos continuam chegando a Dili parareforçar a força internacional de paz e um destacamento de1.600 policiais da ONU, responsáveis pelo cumprimento do estadode emergência declarado depois dos atentados de segunda-feira. Ramos-Horta continua internado num hospital de Darwin, nonorte da Austrália, onde foi novamente operado na quarta-feira. O cirurgião Phil Carson disse que durante a operação ficouevidente que o presidente deve ter recebido dois tiros, e nãotrês, como foi inicialmente noticiado. Carson disse que Ramos-Horta ainda deve ser submetido anovas cirurgias e ficará com cicatrizes consideráveis, mas deveter uma plena recuperação. (Reportagem adicional de Tito Belo e Telly Nathalia em Dilie Rob Taylor em Canberra)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.