Timor Leste vota em paz para seu 1º presidente

Os timorenses comparecem neste domingo em grande número aos centros de votação para participar das primeiras eleições presidenciais de Timor Leste. Segundo cálculos da Comissão Eleitoral, 88,2% dos 430 mil timorenses com direito a voto foram às urnas.O ex-líder da resistência Xanana Gusmão, de 55 anos, é apontado como o candidato favorito. Seu único oponente, Francisco Xavier do Amaral, de 66 anos, deixou claro que só estava concorrendo para dar aos timorenses mais uma opção de voto.Espera-se que os resultados oficiais sejam anunciados na próxima quarta-feira. As três semanas de campanha foram caracterizadas pelas lembranças dos dois candidatos. Amaral lembrava que foi presidente de Timor Leste por nove dias, antes que a antiga colônia portuguesa fosse invadida pela Indonésia em 1975.E Xanana recordava sua resistência contra os indonésios até ser detido e mantido sob prisão domiciliar até 1999, quando os timorenses aprovaram em um referendo a independência do território da Indonésia.Após o referendo de agosto, seguiu-se a destruição de Timor Leste e o massacre de centenas de timorenses pelo Exército indonésio e as milícias formadas e armadas por ele. O conflito só cessou mais de um mês depois com a intervenção de uma Força Multinacional da ONU.Desde então, o território é administrado provisoriamente pelo brasileiro Sérgio Veira de Mello, representante da ONU. Na manhã deste domingo, os dois candidatos abraçaram-se e entraram juntos num centro de votação da capital, Díli, para depositar seus votos sob os sorrisos dos presentes."É espetacular escolher o primeiro presidente de nosso país" disse José Ramos-Horta, chanceler de Timor Leste e ganhador do Prêmio Nobel da Paz de 1996. Ele disse esperar que Xanana seja vitorioso.Em 20 de maio, quando o governo provisório da ONU entregar o poder ao governo local, Timor leste se tornará oficialmente o primeiro novo país do novo milênio. Na pequena cidade de Dare, a poucos quilômetros de Díli, quase todos os eleitores depositaram seus votos logo cedo."Xanana é minha escolha", disse Marcos Soares, um estudante de 26 anos, que cantava com amigos diante da Igreja Católica da cidade. "Ele lutou pelo povo de Timor Leste e nunca desistiu." Mais de 2 mil observadores locais e estrangeiros monitoraram as eleições, que ocorreram sem nenhum incidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.