'Tintim no Congo' vai a julgamento acusada de racismo no país africano

Editora afirma que história em quadrinho deve ser interpretada como registro da década de 1930

Efe

29 Setembro 2011 | 18h48

BRUXELAS - A história em quadrinhos "Tintim no Congo", criada pelo cartunista belga Hergé, vai a julgamento em Bruxelas nesta sexta-feira, 30, após um cidadão congolês pedir sua retirada do mercado por supostos conteúdos racistas.


 

O requerente, Bienvenu Mbutu Mondondo, decidiu pedir a proibição dos quadrinhos por considerá-los "ofensivos" aos congoleses, afirmando que seu conteúdo faz "propaganda da colonização".



Por sua vez, a editora Casterman e os responsáveis pelos direitos de "Tintim no Congo" argumentaram que a história aborda uma ficção, escrita há mais de 70 anos, e deve ser interpretada como um registro daquela época.


Além da Bélgica, a obra já despertou polêmica em países como Reino Unido, França, Suécia e Estados Unidos, onde diversos órgãos e autoridades públicas solicitaram sua retirada do mercado.


Georges Prosper Rémi, mais conhecido como Hergé, escreveu "Tintim no Congo" em 1930 para narrar as aventuras do célebre jornalista em sua viagem à antiga colônia belga. 

Mais conteúdo sobre:
BélgicaCongoTintimquadrinhos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.