Kyodo News/AP/Arquivo
Kyodo News/AP/Arquivo

Tio de ditador norte-coreano é executado por 'traição'

Jang Song-tahek foi expurgado do governo e do Partido Comunista no fim de semana

O Estado de S. Paulo,

12 de dezembro de 2013 | 19h43

(ATUALIZADA às 20h35) PYONGYANG - Jang Song-tahek, tio do ditador norte-coreano Kim Jong-un, foi executado por ser considerado "traidor", informou na quinta-feira, 12, a agência oficial KCNA. Jang foi executado após ter sido condenado por uma corte marcial especial.

No começo da semana, a Coreia do Norte havia confirmado o expurgo de Jang, mentor e conselheiro de Kim Jong-un, em um evento que contou com uma rara transmissão de imagens humilhantes do líder político sendo levado por oficiais uniformizados de uma reunião do partido.

Segundo a KCNA, o tio de Kim tinha sido destituído de todos os cargos que ocupava e expulso do partido sob a acusação de cometer atos criminosos e de criar uma "facção" que desafiava a liderança de Kim. Há dois meses, dois assessores de Jang tinham sido executados também sob acusação de traição.

Em agosto, uma ex-namorada de Kim Jong-un, a cantora Hyon Song-wol, também fora executada depois de ser condenada por "produzir e vender pornografia". Segundo fontes norte-coreanas, Kim manteve um romance com Hyon há mais de dez anos. O casal separou-se em razão da desaprovação do pai de Kim, Kim Jong-il. Depois de separar-se de Hyon, Kim casou-se com outra cantora, Ri Sol-ju, que integrava a mesma orquestra da ex-namorada, que se uniu a um soldado norte-coreano.

O anúncio de execuções e a exibição pública de suspeitos sendo algemados e amarrados antes de serem levados por agentes do governo não são comuns na Coreia do Norte, o que leva à suspeita de que a morte seja algum recado aos "inimigos do governo".

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.