Tipo de motor do Airbus que caiu já havia dado problemas

A turbina do avião do vôo 587 da American Airlines que caiu esta manhã era um modelo CF-6 da General Electric, o mesmo que desintegrou-se parcialmente num avião Boeing 767 da Varig, em janeiro, obrigando o piloto a abortar o vôo que saía de São Paulo. Conforme noticiou The Wall Street Journal, o fato também se repetiu em setembro, com mais dois motores CF-6 da GE em aviões DC-10 da Continental. O motor CF-6 é um dos mais usados em todo o mundo, principalmente em aeronaves grandes, como o Airbus A300 e o Boeing 747. Apesar do relato de pessoas que testemunharam a queda do avião em Queens e afirmaram ter visto uma das turbinas cair momentos antes do avião, ainda não há qualquer indicação que este modelo tenha sido responsável pelo acidente.No começo do ano, uma reportagem do The Wall Street Journal detalhou uma série de problemas com a linha CF-6 de motores, incluindo a desintegração do motor durante vôos, sem mencionar modelos específicos do CF-6. "O perigo é que um CF-6 em outro avião se desintegre parcialmente durante o momento crítico da decolagem e cause um acidente", afirmou a reportagem.Segundo Rick Kennedy, um porta-voz da GE que falou à agência Dow Jones, o avião da American Airlines que caiu hoje usava o modelo CF6-80C2, uma variante da CF-6. Kennedy disse ainda que todos os problemas com os motores CF-6 já foram relacionados. Segundo ele, o CF6-80C2 é usado em 1.000 aeronaves e cerca de 3.000 motores de toda linha estão em operação.Kennedy afirmou que a série 80C2 é diferente do modelo que causou o cancelamento dos três vôos (incluindo o da Varig, em janeiro) e que este foi o primeiro acidente que envolveu um 80C2. "(O modelo) tem o melhor recorde de confiabilidade em toda a indústria", declarou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.