Tiros e explosão deixam 9 mortos e 56 feridos na Caxemira

Tiros e a explosão de uma granada deixaram 9 mortos e pelo menos 56 feridos durante um comício do governista Partido Democrático do Povo (PDP) na Caxemira. Entre os feridos estão os Ministros de Turismo e de Finanças do país, disseram autoridades locais. O comício acontecia por conta das eleições parlamentares nacionais, que deverão ocorrer no próximo dia 20. A polícia desconfia de que o ataque tenha sido perpetrado por militantes islâmicos que lutam pela independência da Caxemira ou sua anexação pelo vizinho Paquistão. Um homem se responsabilizou pelo ataque, dizendo fazer parte de um grupo rebelde pouco conhecido, o Movimento pela Salvação da Caxemira. Os rebeldes se opõem às eleições indianas, e têm pedido boicote à população.No entanto, a presidente do PDP, Mehbooba Mufti, não acredita que insurgentes estejam por trás do atentado. Para ela, o ataque foi realizado por pessoas contra a reabertura de uma via expressa crucial entre as capitais da Caxemira. A região está dividida entre a Índia e o Paquistão, e ambos os países requerem soberania sobre o território. Duas guerras já foram travadas pela Caxemira. Mais de 65 mil pessoas, a maioria civis, morreram em conflitos desde 1989. Militantes islâmicos continuam combatento forças indianas, apesar do cessar-fogo entre os exércitos da Índia e do Paquistão e iniciativas pacifistas sem precedentes entre os dois países.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.