Tiroteio deixa cinco mortos no norte do México

A polícia e o Exército mexicano tiveram hoje um cerrado tiroteio com supostos marginais, que deixou cinco mortos, enquanto centenas de pessoas bloquearam pontes na fronteira com os Estados Unidos e rodovias em pelo menos quatro Estados no norte do país, pedindo a retirada dos militares da região. A Secretaria de Segurança Pública do México disse que o tiroteio durou mais de duas horas nas ruas da cidade de Reynosa, Estado de Tamaulipas, e na fronteira com os EUA. Cinco supostos marginais morreram e seis foram detidos, indicou em comunicado.Ainda de acordo com o governo, a violência aconteceu durante uma operação de prevenção e vigilância dos policiais federais, quando foram detectadas várias picapes nas quais viajavam pessoas armadas. "Os marginais desceram dos veículos e começaram a atirar, entrando em uma casa, de onde lançaram granadas de fragmentação e de fuzil contra a polícia", afirma o comunicado. A Secretaria informa que, na operação, a polícia apreendeu uma quantidade indeterminada de armas pesadas, um morteiro, cinco granadas para fuzil e duas granadas de fragmentação, entre outros armamentos.Há quase dois anos, o governo mexicano enviou milhares de soldados e de policiais federais para combater o narcotráfico e a criminalidade nos Estados do norte do país. Os protestos contra a presença das tropas e dos federais estão se alastrando. Na semana passada, começaram na cidade de Monterrey e hoje aconteceram nos Estados de Chihuahua, Nuevo León, Tamaulipas e Veracruz, informaram autoridades locais. O governo afirma que os protestos são patrocinados pelo narcotráfico. Nesta quarta-feira, ocorreram protestos nas cidades de Reynosa, Ciudad Juárez e Nuevo Laredo.Crime organizado Em 2008, a violência atribuída ao crime organizado mexicano resultou em mais de oito mil assassinatos, mais que o dobro de 2007. Para as autoridades mexicanas, as manifestações de Monterrey, Reynosa e de outras cidades não respondem a uma demanda efetiva da população contra os militares, mas são uma ação do crime organizado para intimidar e interferir na luta contra os cartéis da droga.Em Ciudad Juárez, na fronteira com El Paso (Texas, EUA), 300 mulheres e crianças bloquearam a ponte internacional. Brenda Contreras, uma mãe de 22 anos, disse que Ciudad Juárez ficou muito mais perigosa quando chegaram os militares em 2006 e afirmou que seu marido foi detido pelo Exército numa operação há alguns meses, e desde então não soube nada sobre ele. "Onde ele está agora? O Exército sabe. O que vou dizer para as minhas filhas?", questiona.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.