Gerardo Sanchez/ AP
Gerardo Sanchez/ AP

Tiroteio deixa pelo menos 14 mortos em cidade do México

Confronto se deu entre policiais e homens ligados a um possível cartel de drogas; governador diz que munícipes estão desaparecidos

Redação, O Estado de S. Paulo

01 de dezembro de 2019 | 04h22

Autoridades do México disseram no último sábado, 30, que um confronto entre a polícia e homens suspeitos de comandar um possível cartel de drogas deixou ao menos quatorze mortos na Villa Union, cidade localizada no estado de Coahuila. Entre as vítimas, estão quatro policiais. Um adulto e uma criança estão desaparecidos.

Segundo Miguel Riquelme Solis, governador de Coahuila, que fica a cerca de uma hora de carro de Eagle Pass, no Texas, tudo começou por volta do meio-dia, quando um grupo armado invadiu a cidade de aproximadamente 3 mil moradores em um comboio formado por caminhonetes blindadas. Em seguida, eles atacaram os escritórios das autoridades do governo municipal, o que fez com que as forças estaduais precisassem intervir. Dez supostos membros do Cartel do Nordeste foram mortos na ação.

Vídeos publicados nas redes sociais mostram veículos queimados e a fachada da Prefeitura de Villa Union repleta de marcas de bala. Nas filmagens, tiros rápidos podem ser escutados juntamente com gritos agitados que pedem aos moradores que fiquem dentro de suas casas. Solis também afirmou que desde o tiroteio, vários trabalhadores do município estão sendo dados como desaparecidos. 

"As forças de segurança permanecerão na cidade por vários dias até conseguirem restaurar o clima de paz", disse o governador em comunicado. "Esses grupos não poderão entrar no território estadual", finalizou.

Nos últimos meses, a taxa de homicídios do México cresceu para níveis historicamente altos, aumentando em 2% nos primeiros 10 meses da presidência de Andrés Manuel Lopez Obrador. Autoridades federais disseram que somente em 2019, 29.414 homicídios foram registrados, em comparação aos 28.869 que aconteceram durante o mesmo período de 2018. A situação passou a ganhar mais espaço no noticiário mundial com o massacre da família de mórmons, no começo de novembro, por homens de um cartel de drogas do México. Ao todo, nove pessoas morreram no incidente./ AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.