Tiroteio em área luxuosa de Nairóbi deixa cinco mortos

Polícia e criminosos trocam tiros nas proximidades de hotel e cassino na capital do país, Nairóbi

Agência Estado e Associated Press,

14 de julho de 2008 | 14h23

Um tiroteio entre a polícia e supostos bandidos acabou com cinco pessoas mortas nas proximidades de um hotel e um cassino na capital do Quênia, Nairóbi, nesta segunda-feira, 14. O confronto ocorreu no fim da manhã, em um estacionamento utilizado pelo luxuoso Holiday Inn e pelo Cassino Mayfair.   Três das vítimas são supostos ladrões e as outras duas, funcionários do cassino surpreendidos pelo fogo cruzado, informou um porta-voz da polícia local. Lydia Ayuma disse que o marido dela, Zedekiah Imbote, de 37 anos, era segurança do cassino e foi morto a tiros.   "Nós tivemos bastante sorte de não haver muitos hóspedes por perto", disse Paul Norman, gerente-geral do Holiday Inn. Ele disse que o serviço de segurança do hotel imediatamente levantou os portões de segurança, para evitar qualquer invasão.   A área em que ocorreu o tiroteio é pública, mas os dois estabelecimentos mantêm ali áreas para estacionamento. O hotel e o cassino ficam na região de Parklands, em Nairóbi, perto de dois shoppings e de residências de luxo.   Crimes violentos são um problema comum na capital queniana. Moradores do local apelidaram a cidade de Nairobbery (em uma tradução livre, "Nairroubo"). O país enfrentou recentemente um surto de violência motivada por questões políticas e étnicas, após uma disputada eleição presidencial em dezembro. O impasse eleitoral aflorou frustrações envolvendo a pobreza e a corrupção, além de antigas rivalidades étnicas.   Mais de 1.300 pessoas foram mortas durante semanas de violência. Centenas de milhares tiveram de deixar suas casas. O Quênia perdeu neste ano algo como US$ 1 bilhão (R$ 1,6 bilhão) por causa dos conflitos, que prejudicaram o setor de turismo, vital para o país.

Tudo o que sabemos sobre:
Quênia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.