Tiroteio em Jidá mata cinco supostos militantes

Forças sauditas de segurança entraram em choque com supostos militantes armados na normalmente tranqüila cidade portuária de Jidá, causando a morte de pelo menos cinco pessoas, entre eles quatro dos homens mais procurados da Arábia Saudita. A operação policial foi iniciada imediatamente após um atentado suicida que abalou Riad, a capital saudita, na quarta-feira.Hoje, militares armados continuavam protegendo o local da explosão do meio da semana em Riad. Um carro-bomba foi detonado em frente à sede do serviço geral de segurança da Arábia Saudita. A fachada do prédio foi destruída. O tráfego automobilístico da região foi desviado e policiais com cassetetes em punho obrigavam os pedestres que se aproximavam a apertar o passo.O atentado resultou na morte de seis pessoas, inclusive um militante suicida. Outras 148 pessoas ficaram feridas. Logo depois da explosão, o príncipe Bandar bin Sultan, embaixador saudita nos Estados Unidos, prometeu que "não haverá acordo" com os extremistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.