Tiroteio em universidade mata 13 no Azerbaijão

Um homem armado abriu fogo numa universidade do Azerbaijão hoje, matando 12 pessoas e ferindo outras 13 antes de cometer suicídio. O suspeito, Farda Gadyrov, entrou na Academia Estatal do Petróleo e subiu cinco andares do prédio, atirando contra todos que encontrou no caminho, segundo informações de um comunicado conjunto do Ministério do Interior e de procuradores. Gadyrov se matou com uma pistola quando percebeu a aproximação da polícia, diz o comunicado, que não informa qual foi o motivo do ataque.

AE-AP, Agencia Estado

30 de abril de 2009 | 10h20

Imagens de televisão feitas no interior do prédio mostram vítimas caídas de bruços, aparentemente mortas. Estudantes carregavam colegas, aparentemente feridos, para fora do local. O estudante Bekir Belek disse à CNN turca que os alunos estavam fazendo provas quando ouviram os tiros. "Nós saímos da classe em pânico e vimos o homem atirando contra todo mundo. Três dos meus amigos foram atingidos", disse Belek. "Tudo estava coberto de sangue, todos os corredores. Há muitos feridos", afirmou. "Tentamos escapar, mas tivemos de voltar quando meus amigos foram feridos. Então, os trouxemos para o hospital", disse o estudante. "Havia corpos em todos os andares", disse Ibrahim Kar, outro estudante.

O presidente do Azerbaijão, Ilham Aliev, ofereceu suas condolências em comunicado divulgado hoje e disse que vai inspecionar pessoalmente a investigação. A universidade, que recebeu vários nomes desde no início do século 20, é reconhecida como um importante centro internacional para formação de especialistas no setor de petróleo.

Tudo o que sabemos sobre:
Azerbaijãoviolênciauniversidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.