REUTERS|Nir Elias
REUTERS|Nir Elias

Tiroteio mata duas pessoas em bar de Tel Aviv

Polícia israelense informa que motivo de ataque ainda não está claro e ao menos três pessoas estão feridas; atirador está foragido

O Estado de S.Paulo

01 Janeiro 2016 | 12h54

Atualizada às 14h01

TEL AVIV - Um homem armado abriu fogo em um bar popular na cidade israelense de Tel Aviv na tarde desta sexta-feira, 30, matando duas pessoas e ferindo pelo menos outras três, antes de fugir do local, disse a polícia. O motivo do ataque, que ocorreu em uma movimentada rua principal, não ficou claro de imediato e não se sabia se o atirador era palestino ou se era um tiroteio entre quadrilhas.

A porta-voz da polícia Luba Samri disse que cinco pessoas ficaram feridas, duas das quais morreram no hospital. Ela afirmou ainda que a busca pelo suspeito estava em andamento.

O ataque ocorre em meio a mais de três meses de ataques palestinos quase diários contra civis e soldados israelenses. No lado israelense, 21 pessoas morreram, a maioria por facadas, tiros e ataques com carros. Pelo menos 131 palestinos foram mortos por fogo israelense, 90 deles identificados por Israel como agressores. O restante morreu em confrontos com forças de segurança.

O prefeito de Tel Aviv, Ron Huldai, visitou os feridos no hospital e, mais tarde, disse que conversou com aqueles que foram capazes de falar. Ele disse que no interior do bar "amigos estavam comemorando um aniversário e um homem abriu fogo contra eles do lado de fora". Ele disse que "lições serão aprendidas" para melhorar a segurança.

A mídia local informou que um rifle de assalto foi usado no ataque de sexta-feira e que cerca de 30 tiros foram disparados. A polícia e forças especiais israelenses estão indo de casa em casa na área, procurando o atirador, de acordo com reportagens de televisão. Associated Press

Mais conteúdo sobre:
Israel

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.