Tiroteio mata policial e suspeito em área tibetana da China

Um policial e um suspeito de comandartumultos foram mortos em um tiroteio nesta semana no oeste daChina, disse a imprensa estatal na quarta-feira, num sinal deque a tensão permanece depois da onda de protestos de março. O policial Lama Cedain (um nome tibetano) morreu em umincidente na manhã de segunda-feira, segundo informações dasautoridades da província de Qinghai (oeste, vizinha ao Tibet) àagência estatal de notícias Xinhua. O relato acrescenta que houve distúrbios na região de Dari,em Qinghai, incitado por "algumas pessoas acusadas de sereminsurgentes buscando a 'independência tibetana"'. "Após uma investigação de um mês, a polícia agiu nasegunda-feira para prender o suposto líder. O suspeito resistiuà prisão, e um tiroteio começou. O agente foi morto no tiroteio[...] e outros agentes reagiram, matando o suspeito", diz aagência. A China acusa o líder espiritual exilado Dalai Lama de terpromovido os tumultos de março em Lhasa, capital do Tibet,contra a dominação chinesa. Segundo Pequim, o motim matou 18"civis inocentes". Os distúrbios se espalharam posteriormente para provínciasvizinhas onde há população tibetana, e provocaram indignaçãomundial --que se refletiu em protestos durante a passagem datocha olímpica por várias cidades, a caminho dos Jogos dePequim. O Dalai Lama nega envolvimento nos protestos e diz serfavorável a mais autonomia para o Tibet, mas não àindependência. (Reportagem de Ben Blanchard e Lindsay Beck)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.