OLIVIER MORIN/AFP
OLIVIER MORIN/AFP

Tiroteio no Palácio de Justiça de Milão deixa ao menos 4 mortos

Entre as vítimas estariam ao menos um juiz, um advogado e um réu em caso de falência; suspeito foi detido em cidade próxima a Milão

O Estado de S. Paulo

09 de abril de 2015 | 08h00

(Atualizada às 9h05) MILÃO - Pelo menos quatro pessoas morreram nesta quinta-feira, 9, em um tiroteio ocorrido dentro do Palácio da Justiça de Milão, no norte da Itália, em circunstâncias ainda não esclarecidas pelas autoridades locais.

O presidente do Tribunal de Apelação de Milão, Giovanni Canzio, afirmou à imprensa que pode haver mais vítimas. Alguns meios de comunicação italianos falam em até nove feridos. De acordo com a agência italiana Ansa, entre os mortos estão o juiz Fernando Ciampi, da divisão de falências, o advogado Alberto Lorenzo Claris Appiani, o também réu Giorgio Relva, e uma quarta vítima não identificada. 


Segundo a imprensa local, o autor dos disparos é Claudio Giardiello, que era julgado em um caso de falência fraudulenta. Ele teria aberto fogo dentro de uma sala contra pessoas que testemunhavam contra ele no processo.

Giardiello foi preso por agentes do corpo de Carabineiros no município de Vimercate, próximo de Milão, anunciou o ministro do Interior da Itália, Angelino Alfano. Em sua conta no Twitter, o ministro escreveu que o suspeito havia sido levado para uma delegacia de polícia.

O ataque ocorreu por volta das 11h (horário local). Várias ambulâncias foram deslocadas para o Palácio da Justiça. As emissoras de TV italianas mostraram as pessoas sendo retiradas do prédio, cujo o acesso foi bloqueado pelas forças de segurança. 

Milão realizava hoje uma reunião sobre ordem pública e segurança em preparação para a próxima Exposição Universal, que começará em maio próximo. O prefeito da cidade, Giuliano Pisapia, suspendeu o encontro e se dirigiu ao Palácio de Justiça para "ver o quê se pode fazer para evitar que a tragédia se torne ainda maior". / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Milãotiroteio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.