AP Photo/Manish Swarup
AP Photo/Manish Swarup

Tiroteio no Sri Lanka deixa 16 mortos em ação contra esconderijo do Estado Islâmico

Conflito começou na noite desta sexta, 26, e tinha como objetivo prender militantes do EI; entre as vítimas, estavam seis crianças e três mulheres

Agências Internacionais, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2019 | 02h48
Atualizado 27 de abril de 2019 | 21h14

Colombo - Um tiroteio entre oficiais do Sri Lanka e supostos terroristas islâmicos deixou 16 mortos, incluindo seis crianças, na manhã deste sábado, 27, afirmou um porta-voz do Exército. A troca de tiros aconteceu apenas seis dias depois de o país ter sofrido uma onda de ataques terroristas que deixou mais de 250 pessoas mortas.

Quando militares e policiais se preparavam para invadir o esconderijo, em uma casa de Kalmunai, no leste do país, três homens afiliados ao Estado Islâmico se explodiram, matando seis crianças e três mulheres. "Outros três homens", supostamente suicidas membros do grupo, morreram fora da residência, informou a polícia.

O assalto provocou um tiroteio de mais de uma hora e os corpos foram descobertos quando o confronto terminou, revelou o porta-voz do Exército Sumith Atapattu. As forças da ordem não sofreram qualquer baixa. Na noite desta sexta, a polícia encontrou 150 bananas de dinamite e uma bandeira do EI durante uma batida em Sammanthurai, no local onde foi gravado o vídeo reivindicando os atentados do Domingo de Páscoa, segundo investigadores.

De acordo com uma declaração do porta-voz militar Sumith Atapattu, o tiroteio começou após os oficiais se aproximarem de um esconderijo e terem escutado três explosões, dando início à troca de tiros. “Os oficiais retaliaram e invadiram o local, onde havia uma grande quantidade de explosivos armazenada”, afirmou, acrescentando que os militantes são suspeitos de terem ligações com o grupo terrorista National Towheed Jama’at (NTJ). 

Tudo o que sabemos sobre:
Sri Lanka [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.