Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Todos os ministros de Toledo colocam seus cargos à disposição

No momento em que o presidente Alejandro Toledo enfrenta problemas de credibilidade e descontentamento popular, o gabinete peruano colocou nesta segunda-feira à sua disposição todos os 16 cargos ministeriais. Toledo confirmou que reestruturará seu gabinete, após vários dias de especulações nos círculos políticos. ?Chegou o momento decisivo e vamos fazer mudanças olhando o Peru como un todo?, afirmou.Toledo falou durante um ato público na sede do ministério da Agricultura, adiantando que os independentes continuarão sendo a maioria em seu novo gabinete.Horas antes, o presidente do Conselho de Ministros, Luis Solari, havia informado que iria colocar ?formalmente, por escrito? os cargos de todos os ministros à disposição de Toledo, ?como é costume fazer nesta época?. Em declarações à emissora Radioprogramas, antecipou que provavelmente entre terça e quarta-feiras se saberá que mudanças fará Toledo - ou, senão, o anúncio sairá na próxima semana, já que o mandatário deve viajar à Colômbia para uma cúpula de presidentes do Pacto Andino.Para o ministro de Agricultura, Alvaro Quijandría, as mudanças no gabinete ministerial são um tema ?inevitável?, já que existe ?uma opinião generalizadaa esse respeito?. Ele acrescentou que Toledo agradeceu a iniciativa dos ministros.Os rumores e especulações sobre as mudanças ganharam fôlego no fim de semana, quando transpirou a notícia de que o ministro da Economia, Javier Silva Ruete, teria renunciado depois que o Congresso rejeitou alguns projetos contidos em um pacote tributário por ele proposto.É tradição que em 28 de julho de cada ano, coincidindo com o Dia da Pátria, os ministros coloquem seus cargos à disposição do presidente. Toledo, cuja popularidade é de apenas 11%, enfrenta constantes críticas por seu estilo de governo, sua suposta falta de liderança, suposta incapacidade para tomar decisões e por pregar uma austeridade que não é cumprida no Palácio Presdencial.Uma onda de greves levou o governante a decretar em fins de maio o estado de emergência no país por 30 dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.