Toledo é eleito presidente do Peru

Depois de enfrentar duas eleições no espaço de pouco mais de um ano, Alejandro Toledo foi finalmente eleito hoje presidente do Peru. Computados 50,63% dos votos, Toledo tinha 51,78% dos votos válidos e Alan García os restantes 48,22%. De acordo com o Escritório Nacional de Processos Eleitorais (Onpe), havia 10,64% de votos nulos, 2,02% de brancos e 0,03% impugnados. Toledo e García disseram que só se pronunciariam depois da divulgação das projeções da organização internacional Transparência, prevista para o fim da noite.A vitória de Toledo deve tranqüilizar a comunidade financeira internacional. Durante seu governo (1985-90), García, do tradicional Partido Aprista, de esquerda, decretou moratória, estatizou os bancos e nacionalizou empresas estrangeiras, num governo marcado pela hiperinflação, o desabastecimento e a explosão do terrorismo do Sendero Luminoso.Já Toledo, doutor em Economia pela Universidade da Califórnia em Stanford, mostra-se comprometido com as leis de mercado e os princípios da estabilidade monetária. O formulador de seu programa econômico e possível ministro da Fazenda, Pedro Pablo Kucinski, que integrou, no início dos anos 80, o ministério de Fernando Belaúnde Terry, é conhecido por suas convicções liberais e ortodoxas.Nenhum dos dois tem maioria absoluta garantida no Congresso eleito dia 8 de abril, embora a situação de García seja mais dramática: o partido de Toledo, Peru Possível, elegeu 45 deputados e deve obter o apoio de outros 19, no Congresso unicameral de 120 cadeiras; já o Partido Aprista elegeu 28 deputados e teria muito mais dificuldade de atrair respaldo.Ainda assim, García tem motivos para festejar sua proeza. O ex-presidente voltou em janeiro de um exílio de dez anos na Colômbia, depois de deixar o Peru sob acusações de corrupção e, em apenas quatro meses, conseguiu reabilitar-se e transformar-se numa das principais forças políticas do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.