Roberto Simon/AE
Roberto Simon/AE

''Tontons'' simbolizaram terror de Estado

Jornalista, vítima do regime de Duvalier, lembra as semanas de tortura e o exílio e pede que ''Baby Doc'' seja julgado por seus crimes

Roberto Simon, O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2011 | 00h00

A jornalista Lilian Pierre-Paul sabe de cabeça a data em que foi presa pelo governo de Jean-Claude Duvalier, o Baby Doc: 21 de novembro de 1980. Ronald Reagan tinha acabado de ser eleito presidente dos EUA e indicava que, em nome da luta contra o comunismo nas Américas, relaxaria a pressão que seu antecessor, Jimmy Carter, exercia contra abusos cometidos por ditaduras - o Haiti entre elas.

Começava o terror do regime Baby Doc. Com a morte do pai, François Duvalier (o Papa Doc), em 1971, Jean-Claude recebeu aos 19 anos o título de "presidente vitalício". Sua primeira promessa foi fazer a "revolução econômica" no país, já que seu pai teria concluído a "revolução política" - o massacre de qualquer tipo de oposição, real ou imaginária, ao poder. Sob Papa Doc, a elite intelectual do Haiti fora obrigada a se exilar em países africanos que saíam do processo de descolonização, como Zaire, Togo e Gabão, além de Canadá e EUA. Inicialmente, o governo de Baby Doc permitiu um tímido processo de distensão, incentivado pela pressão de Carter.

A brecha de liberdade fez Lilian, juntamente com outros jovens jornalistas, organizar a Radio Ayti Inter, primeira emissora haitiana em creole, a língua da população. Antes, toda a imprensa era em francês, embora a grande maioria do Haiti não falasse o idioma do tempo colonial. "Todo o país nos escutava", relembra Lilian, hoje "na casa dos 50" e diretora da emissora Kiskaya. "A Radio Ayti Inter dava notícias somente em creole. Era essa a nossa revolução."

No dia da vitória de Reagan, os Tontons Macoutes - "bicho papão" em creole, a sanguinária milícia dos Duvaliers - saíram às ruas em festa. No dia seguinte, milicianos e o Exército fecharam a rua da emissora e prenderam os jornalistas. Lilian foi enquadrada como "inimiga de alta periculosidade do Estado".

Os repórteres que tinham visto dos EUA foram embarcados à força para Miami. Não foi o caso de Lilian. Da rádio, ela foi levada à prisão Jean-Jacques Dessalines, centro do sistema de repressão política dos Duvaliers que levava o nome de um dos heróis da Revolução Haitiana.

Tiraram-lhe as roupas e a torturaram, ritual repetido diariamente durante três semanas. Invadiram sua casa, prenderam seus dois irmãos (um deles morto anos depois no exílio) e colocaram sua mãe sob vigilância.

Depois das semanas no calabouço, a jornalista foi levada com outros seis presos para o aeroporto de Porto Príncipe, de onde seria expulsa do Haiti. Ao chegar ao terminal, os agentes da repressão encontraram três voos - para Paris, Montreal e Miami -, mas todos os pilotos rejeitaram receber presos políticos. Os agentes, então, pararam na ponta de fuzis um bimotor a caminho da ilha holandesa de Curaçau, no qual os presos foram embarcados. O governo da Holanda protestou contra a ação, qualificando-a de "terrorismo de Estado". Quando o avião chegou, os sete solicitaram asilo político, sob a ameaça de cortar os pulsos caso o pedido fosse recusado.

PONTOS-CHAVE

Corrupção

Autoridades haitianas estimam que mais de US$ 100 milhões tenham sido desviados por Baby Doc para contas na Suíça. A maior parte do dinheiro permanece bloqueada

Direitos humanos

Como o pai, Baby Doc contava com os serviços da milícia conhecida como Tonton Macoute, que controlava o país usando violência e intimidação

Era de terror

Milhares de haitianos foram torturados e mortos. Acusações envolvem ainda prisões arbitrárias, execuções sumárias e estupros

PARA LEMBRAR

O esquadrão da morte oficial

Os Tontons Macoutes ("bichos-papão", em creole) eram o esquadrão da morte da dinastia Duvalier que aterrorizou o Haiti sob o comando de Papa Doc e Baby Doc. Eram uma mistura de guarda oficial e paramilitares formada por homens que usavam ternos e gravatas escuros e grandes óculos escuros redondos. Além de torturar, sequestrar e assassinar milhares de haitianos, os Tontons Macoutes extorquiam dinheiro da população. Desde que iniciaram os trabalhos, em 1959, mataram 30 mil haitianos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.