Tony Blair comemora morte dos filhos de Saddam

O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, afirmou nesta quarta-feira, em Hong Kong, que a morte dos filhos de Saddam Hussein, Qusay e Uday, representou ?um grande dia para o novo Iraque?. Blair, que está visitando a Ásia, disse que os dois filhos de Saddam eram líderes no Iraque e responsáveis por um regime que torturou e matou milhares de inocentes iraquianos. O primeiro-ministro australiano, John Howard, espera que a morte de Qusay e Uday traga mais estabilidade para o Iraque pós-guerra. ?Não quero me exceder, mas psicologicamente é um grande avanço?. O Japão também demostrou alívio e esperança com a notícia. ?Essas mortes devem ajuda a diminuir a resistência no Iraque e facilitar a reconstrução do país?, disse um porta-voz do governo japonês. Os corpos de ambos foram levados na manhã desta quarta ao Aeroporto Internacional de Bagdá, de onde deixarão o país. As autoridades norte-americanas não disseram o motivo da retirada dos corpos do país e para onde serão levados. O general Ricardo Sanchez confirmou que os corpos foram reconhecidos, mas que um teste de DNA será feito. Nesta terça-feira, Qusay e Uday, respectivamente 2º e 3º na lista das 55 pessoas mais procuradas do antigo regime de Saddam, foram mortos em uma operação do Exército dos Estados Unidos em Mossul, no norte do Iraque. Os EUA tinham anunciado uma recompensa de US$ 30 milhões para quem desse alguma informações sobre o paradeiro dos filhos de Saddam.

Agencia Estado,

23 Julho 2003 | 03h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.