Tony Blair depõe em inquérito sobre grampos telefônicos

O ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair foi interrogado nesta segunda-feira durante um inquérito sobre o escândalo dos grampos telefônicos relacionados à News Corp., o grande conglomerado de mídia de Rupert Murdoch.

AE, Agência Estado

28 Maio 2012 | 09h58

Blair, que foi primeiro-ministro entre 1997 e 2007, é padrinho de um dos filhos do magnata. Além disso, seu governo trabalhista é descrito por vários colegas como tendo sido muito próximo de Murdoch e de seu império de mídia.

Blair afirmou que era "inevitável" haver uma "interação próxima" entre altos políticos e pessoas ligadas à mídia. "Sempre foi assim e sempre será", disse ele. De acordo com o ex-premiê "seria estranho se graduados políticos e importantes jornalistas não tivessem tais interações".

O comparecimento de Blair à comissão de ética dá início a uma semana importante para o inquérito.

Vários políticos importantes foram envolvidos na investigação, iniciada no ano passado, após o escândalo dos grampos telefônicos, quando surgiram informações de que repórteres do tabloide News of the World, de propriedade de Murdoch, rotineiramente grampeavam telefones de figuras públicas e de vítimas de crimes.

O juiz Brian Leveson avalia se políticos britânicos fracassaram em interromper as atividades do jornal porque eram muito próximos a ele ou se tinham medo do poder da mídia.

Ministros do atual governo, dentre eles o secretário de Cultura Jeremy Hunt, o ministro da Educação Michael Gove e a secretária do Interior Theresa May também comparecerão perante a comissão nesta semana. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Reino UnidogramposTony Blair

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.