EFE/ Facundo Arrizabalaga
EFE/ Facundo Arrizabalaga

Tony Blair diz haver 50% de chance de novo referendo do Brexit

Em entrevista à agência Reuters, ex-premiê britânico diz ser favorável a nova consulta e não acreditar que May conseguirá apoio para aprovar acordo para divórcio entre o país e a União Europeia

O Estado de S.Paulo

11 Outubro 2018 | 16h20

LONDRES - O ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair disse que existe 50% de chance de haver um novo referendo do Brexit, uma vez que a primeira-ministra, Theresa May, dificilmente terá maioria para aprovar qualquer acordo de separação do Reino Unido da União Europeia no Parlamento.

“Qualquer Brexit sendo oferecido hoje resultará em um dano econômico significativo”, disse Blair, que foi premiê de 1997 a 2007, em entrevista à agência Reuters. “Ainda acredito que é possível deter o Brexit, acho que não há maioria no Parlamento para qualquer proposta que a primeira-ministra traga de volta”, disse Blair, acrescentando que defende um segundo referendo.

Faltando menos de seis meses para a desfiliação britânica da UE, há pouca clareza sobre como a quinta maior economia do mundo e seu proeminente centro financeiro internacional negociarão com o bloco depois do Brexit.

Negociação

May está tentando fechar um acordo, mas não se sabe se conseguirá torná-lo aceitável ao seu país, cuja legislatura precisa aprová-lo.

Blair disse que as agências reguladoras da Europa não desejarão ver o centro das finanças europeias fora de sua órbita, o que provocaria a perda de empregos no setor financeiro.

“Por que nos criar esse problema em um campo da economia global no qual somos globalmente proeminentes?”, indagou Blair, acrescentando que o governo descartou os interesses do setor de serviços.

Ele disse que, se o Brexit vingar e for seguido por um governo liderado pelo trabalhista Jeremy Corbyn, o país enfrentará “uma situação verdadeiramente prejudicial e desafiadora”.   

“Esse é o problema com as políticas dos dois grandes partidos: eles parecem pensar que você pode fazer o Brexit e depois buscar um monte de leis sociais para tornar o capitalismo mais justo e mais igualitário e assim por diante”, disse Blair.

“Eles têm de acordar para o fato de que, se você fizer o Brexit, sua prioridade número um será fazer este lugar continuar sendo um lugar atraente para os investidores virem”. / REUTERS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.