Tóquio e Seul analisam litígio marítimo e conflito sobre Dokdo

A Coréia do Sul e o Japão analisarão a partir desta segunda-feira suas disputas territoriais nas águas que separam os dois países e em torno da soberania das ilhas Dokdo, reivindicadas por Seul e Tóquio.A delegação sul-coreana que participará da reunião chegou hoje aTóquio liderada pelo diplomata Park Hee-kwon, que antes de partir deSeul ressaltou à agência de notícias "Yonhap" que a Coréia deveadotar uma "posição firme" no diálogo com o Japão."Nas atuais circunstâncias, a Coréia do Sul não tem alternativa anão ser agir desta forma", disse Park, em referência ao agravamentoda disputa por Dokdo em abril, quando os dois países estiveram àbeira de um choque naval devido a essas ilhas.Segundo fontes diplomáticas de Seul citadas pela "Yonhap", aCoréia do Sul poderia apresentar às autoridades japonesas um planoque reivindica a ampliação das águas territoriais sul-coreanas emdetrimento do território marítimo exigido pelo Japão.Tóquio e Seul reivindicaram suas próprias zonas econômicasexclusivas no mar que separa a península coreana do Japão em 1996,seguindo a Convenção das Nações Unidas sobre a Lei do Mar que tinhaentrado em vigor em 1994.No entanto, logo depois surgiram graves disputas entre os doispaíses, pois as zonas econômicas exclusivas, delimitadas sem oconcurso da parte em litígio, têm algumas áreas nas quais seSobrepõem.Entre 1996 e 2000, a Coréia do Sul e o Japão realizaram quatrorodadas de conversas, mas fracassaram na hora de chegar a um acordo,principalmente devido às respectivas demandas de soberania sobre asduas ilhas Dokdo.A Coréia do Sul mantém desde a década de 50 uma pequena guarniçãona maior das duas ilhas como mostra de sua soberania sobre esteTerritório.A tensão foi acirrada em abril, quando o Japão manifestou suaintenção de enviara às ilhas Dokdo dois navios de prospecçãocientífica para confirmar a toponímia japonesa do leito marinho noqual estão localizadas as ilhas.A Coréia do Sul respondeu enviando vinte patrulhas a essas ilhascom a ordem de capturar ou afundar os navios japoneses se tentassementrar nessas águas.Após intensas negociações, o Japão decidiu não enviar seus doisnavios e a Coréia do Sul se comprometeu a adiar seus próprios planosde redefinir a toponímia (coreana) da região em litígio.A reunião que começará nesta segunda-feira em Tóquio promete sertensa, depois que a Coréia do Sul manifestou sua intenção deconsiderar as ilhas Dokdo o ponto cardeal para marcar sua nova zonaeconômica exclusiva.Até agora, a Coréia do Sul propunha traçar o limite das águas dosdois países entre as ilhas sul-coreanas de Ulleungdo (a oeste dasDokdo) e a ilha japonesa de Oki.O Japão, por outro lado, quer que a linha passe entre asUlleungdo e as Dokdo, assumindo assim a soberania destas ilhas.A nova proposta sul-coreana pretende que a divisória esteja entreas Dokdo e a ilha de Oki, plano que certamente será rejeitado porTóquio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.