Torres gêmeas jamais resistiriam, dizem especialistas

Até esta terça-feira, o desabamento das torres gêmeas de 110 andares do World Trade Center parecia uma cena impossível. Mas a sólida construção de aço e concreto que sustentava os edifícios jamais poderia resistir a um ataque como o de hoje nem aos incêndios desencadeados, dizem especialistas. "Nenhum edifício construído hoje resistiria", garante Masoud Sanayei, engenheiro civil e professor da Universidade de Tufts.Especialistas na construção de arranha-céus disseram que os vídeos dos desabamentos os levam a crer que as torres talvez tenham sido debilitadas pelo impacto inicial dos aviões e finalmente sucumbiram devido ao intenso calor do incêndio.Hyman Brown, professor da faculdade de engenharia civil da Universidade de Colorado, especula que as chamas, alimentadas pelos milhares de litros do combustível dos aviões, derreteram os suportes de aço. "Este edifício poderia ter resistido ao impacto de um avião" disse. "Mas o aço derrete. E os 90.000 litros de combustível do avião alimentaram as chamas que derreteram o aço. Não existe nada projetado para resistir ao fogo."Sanayei suspeita que o calor tenha derretido a conexão entre os pisos de cimento e as colunas tubulares de aço que cercavam o edifício. Se um dos andares desaba, isto provavelmente causa a queda de um piso sobre outro. "Os andares são muito, mas muito pesados, feitos de concreto reforçado, de maneira que, se um cai sobre o de baixo, gera um efeito dominó, que pode seguir até o primeiro piso."O arquiteto Minoru Yamasaki, morto em 1986, trabalhou com os engenheiros John Skilling e Leslie R. Robertson para projetar as torres, que estavam entre os edifícios mais altos do mundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.