Tortura foi política de Estado de Pinochet, diz comissão

A tortura foi uma política de Estado na ditadura do general Augusto Pinochet e não "excessos" cometidos por integrantes das forças de segurança. A informação foi publicada hoje no diário Lá Nación, que se valeu de um relatório da Comissão Nacional Sobre Prisão Política e Tortura. Cerca de 30 mil presos políticos foram torturados no Chile entre 1973 e 1990, inclusive sexualmente. Ainda de acordo com o documento, 3 mil pessoas morreram ou desapareceram durante o regime. O relatório, no entanto, não cita nomes de torturadores, nem de seus superiores.

Agencia Estado,

10 Outubro 2004 | 19h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.