Total de mortos no Japão já chega a 4.340, diz emissora

Segundo dados divulgados pela NHK, número de desaparecidos subiu para 9.083

AE, Agência Estado

16 de março de 2011 | 09h40

 

 

 

TÓQUIO - O número de mortos após o terremoto de 9,0 graus na escala Richter e do subsequente tsunami que atingiram na sexta-feira o nordeste do Japão chegou nesta quarta-feia, 4.340, de acordo com a rede japonesa de televiisão NHK. Segundo a O total de desaparecidos subiu para 9.083.

 

Veja também:

blog Twitter: Siga a correspondente Cláudia Trevisan, que está no Japão

especial Infográfico: Entenda o terremoto maiores tragédias dos últimos 50 anos

documento Relatos: envie textos, vídeos e fotos para portal@grupoestado.com.br

som Território Eldorado: Ouça relato do embaixador e de brasileiros no Japão

mais imagens Galeria de fotos: Tremor e tsunami causam destruição

blog Arquivo Estado: Terremoto devastou Kobe em 1995

 

Além disso, a tragédia levou pânico ao Japão por causa do risco de uma catástrofe nuclear. As autoridades japonesas desistiram do plano de utilizar helicópteros para jogar água e resfriar um dos reatores da usina nuclear de Daiichi, em Fukushima, na região nordeste do Japão. O plano foi abandonado devido aos altos níveis de radiação no local.

O secretário-chefe de gabinete do governo japonês, Yukio Edano, afirmou que os preparativos para uma nova tentativa de resfriar os reatores da usina estão sendo avaliados e começarão hoje. O secretário não detalhou, porém, quais medidas as operações vão envolver.

Edano afirmou que a radiação na usina estava em cerca de 1.500 milisieverts (unidade usada para indicar danos biológicos causados pela radiação) por volta das 4 horas (horário de Brasília). Segundo ele, esse nível não impõe risco imediato à saúde das pessoas que permanecem na área de evacuação em torno de Daichi.

 

Entenda como funcionam os reatores.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.